Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/9597
Title: Artivismo, gênero e educação musical: perspectivas para uma transformação social.
Other Titles: Arctivism, gender and music education: perspectives for a social transformation.
Authors: Siqueira, Rosa Amélia Marques
Keywords: Artivismo.;Educação Musical.;Gênero.;Educação Musical e Igualdade de Gênero;Mulheres na Música.;Arctivism.;Música – Transformação Social.;Gender.;Music Education.;Women in Music.
Issue Date: 13-Nov-2019
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: SIQUEIRA, Rosa Amélia Marques. Artivismo, gênero e educação musical: perspectivas para uma transformação social. 2019. 90 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Música). Escola de Música, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.
Portuguese Abstract: A presente pesquisa surgiu da necessidade de investigar sobre a relação entre o conceito de artivismo, os estudos sobre gênero e os aspectos da educação musical, e como esse tríplice poderia contribuir com a construção de uma transformação social. Artivismo é designado a partir do elo indissociável arte-política, que mescla aspectos estéticos e simbólicos, performáticos e políticos, com propósitos coletivos ou individuais de mudança da realidade. No contexto de uma sociedade patriarcal, compreende-se gênero como um sistema de construtos culturais, históricas e sociais, que buscam naturalizar comportamentos individuais e coletivos baseados na dominação masculina. Esse sistema fomenta uma estrutura que constrói identidades com base em aspectos biológicos, e assim reproduz estereótipos, ditos “femininos” ou “masculinos” e gera hierarquização entre essas categorias. No campo da música, o sistema de gênero é fortemente enraizado, ao nos depararmos com um processo histórico de invisibilização do papel das mulheres como compositoras, instrumentistas, intérpretes, produtoras, diretoras de instituições e pesquisadoras. A necessidade de discutir sobre essas questões de gênero, não só no campo da música de forma geral, mas também na educação musical é latente, pois a partir das práticas educativas podemos reproduzir, fomentar e transformar construções sociais. Diante disso, foi realizada uma pesquisa qualitativa, em forma de entrevista semiestruturada, - mais especificamente uma roda de conversa -, com duas professoras de música, uma da educação básica e outra do contexto de uma ONG. Durante a entrevista os seguintes temas de discussão se destacaram e nortearam a análise de dados: (a) da definição de artivismo e as relações do mundo artístico e político; (b) das questões de gênero na música num contexto mais amplo; (c) quais os desdobramentos dessa questão social no campo da educação musical; (d) qual o papel das(os) educadoras(es) musicais na promoção de uma educação pautada na transformação social. A partir da fala das professoras, em diálogo com estudos de autoras e autores das áreas discutidas, foram elaboradas propostas de práticas educativas e reflexivas, sobre o papel de educadoras e educadores no processo de transformação musical. O presente trabalho busca contribuir com o pensar de uma educação pautada na construção, conjunta, de uma sociedade mais justa, igualitária, plural e inclusiva.
Abstract: This research arose from the need to investigate the relationship between the concept of artivism, gender studies and aspects of music education, and how this threefold concept could contribute to the construction of social transformation. Artivism is defined from the inseparable between art and politics, which mixes aesthetic and symbolic, performative and political aspects, with collective or individual objectives of changing today’s realities. In the context of a patriarchal society, gender is understood as a system where cultural, historical and social constructions that seek to naturalize individual and collective behaviors based on male domination. This system fosters a structure that builds identities from biological aspects, and thus fosters stereotypes, called “female” or “male” and generates inequality between these categories. In the field of music, the system of gender is strongly rooted as we face a historical process of invisibility of the role of women as composers, instrumentalists, performers, producers, directors of institutions and researchers. The need to discuss these gender issues is underlying, not only in the field of music in general, but also in music education. Via educational practices we can reproduce, foster and transform social constructions. In this light, a qualitative research was conducted, in the form of semi-structured interviews, more specifically a conversation circle, with two music teachers, one from grade-school education and the other from an NGO involved in education. During the interview the following topics of discussion stood out and guided the data analysis: (a) the definition of artivism and the relations of the artistic and political world; (b) gender issues in music in a broader context; (c) what the consequences are of this social issue in the field of music education; (d) what the role is of musical educators in promoting an education based on social transformation. From the words of the teachers, in dialogue with studies by authors of the areas discussed, proposals were made for educational and reflective practices, about the role of educators in the process of musical transformation. This paper seeks to contribute to the thinking of an education based on the collect construction of a fairer, egalitarian, plural and inclusive society.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/9597
Other Identifiers: 20160103882
Appears in Collections:Música (licenciatura)



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons