Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/9180
Title: Alterações bucais em pacientes internados em unidades de terapia intensiva
Other Titles: Oral alterations in patients in the intensive care units
Authors: Araújo, Gabrielly Laís Barbosa Duarte de
Keywords: Unidade de terapia intensiva;Higiene bucal;Manifestações Orais;Cuidados de saúde;Equipe de assistência ao paciente;Diagnóstico bucal
Issue Date: 2019
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: ARAÚJO, Gabrielly Laís Barbosa Duarte de. Alterações bucais em pacientes internados em unidades de terapia intensiva. 2019. 48f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Odontologia) - Departamento de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.
Portuguese Abstract: Objetivos: Identificar alterações bucais em pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTI). Metodologia: Foi realizado um estudo de prevalência, transversal do tipo seccional, constituído por 70 pacientes internados na UTI de um hospital. Foram obtidos os dados referentes às condições sociodemográficas e sistêmicas dos 70 pacientes a partir das informações presentes nos prontuários e realizado exame clínico intraoral no leito da UTI, utilizando-se como material auxiliar: espátula de madeira, soro fisiológico e gaze estéril. Os dados obtidos foram submetidos a análise descritiva, estatística e analógica através dos testes Exato de Ficher, Qui-quadrado de Pearson e Mann-Whitney (p>0.05). Resultados: Os pacientes exibiram média de idade de 69 anos para aqueles advindos do Sistema Único de Saúde e de 77 anos para os que possuíam plano de saúde. De forma geral, 51.4% dos pacientes eram do sexo masculino. A média de internação dos pacientes foi de 11 dias. A maioria exibiu doenças do sistema respiratório (71,4%) e circulatório (54,3%), e 98,6% dos pacientes evidenciaram alterações bucais. Em relação a condição de higiene oral, 60% dos pacientes apresentaram higienização precária. A saburra lingual (91,4%), ressecamento labial (65,7%) e biofilme dentário (45,7%) foram as alterações mais frequentes. A limpeza mecânica da cavidade oral foi realizada em todos os pacientes e para demais alterações, foi proposto o tratamento adequado. Conclusões: Essa pesquisa verificou elevada prevalência de alterações bucais em pacientes internados, o que reforça a importância do cirurgião-dentista em UTIs.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/9180
Other Identifiers: 2015077140
Appears in Collections:Odontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Alteraçõesbucaisempacientesinternados_Araujo_2019.pdf907.97 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons