Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8859
Title: Uso do instrumento TUG-ABS português-Brasil para avaliação funcional de indivíduos com Doença de Parkinson com distintos níveis de mobilidade: um estudo transversal
Authors: Pegado, Camila de Lima
Keywords: Transtornos de movimento;fisioterapia;marcha
Issue Date: 11-Jun-2019
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: PEGADO, Camila de Lima. Uso do instrumento TUG-ABS português-Brasil para avaliação funcional de indivíduos com Doença de Parkinson com distintos níveis de mobilidade: um estudo transversal. 2019. 37 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fisioterapia) - Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019
Portuguese Abstract: Introdução: A Doença de Parkinson (DP) é uma desordem neurodegenerativa, cujos principais sinais motores – instabilidade postural, bradicinesia, tremor de repouso e rigidez – progridem diminuindo a mobilidade funcional. Para a avaliação da mobilidade funcional, o teste Timed Up and Go (TUG) e também o teste Short Physical Performance Battery (SPPB) têm sido bastante utilizados. Recentemente, o teste Timed Up and Go Assessment of Biomechanical Strategies (TUG-ABS) foi desenvolvido para complementar informações trazidas pelo teste TUG; porém, ainda tem sido pouco utilizado em indivíduos com DP. Objetivos: Analisar as atividades de mobilidade funcional desempenhadas por indivíduos com DP, por meio do teste TUG-ABS. Métodos: Participaram desse estudo 27 voluntários, de ambos os sexos, com média de idade de 61,1 anos, na fase leve a moderada da doença. Os participantes foram solicitados a realizar o teste TUG, tendo seu desempenho registrado em filmagem convencional. As gravações serviram para pontuação do teste TUG-ABS, feita por examinador experiente. Os participantes foram também avaliados com o teste SPPB. Para análise quanto aos níveis de mobilidade, os participantes foram divididos em dois grupos: mobilidade mais comprometida (mais de 10 segundos para concluir o teste TUG) e mobilidade menos comprometida (realizou o teste TUG em até 10 segundos). Os grupos foram comparados quanto aos escores de cada subitem (sentado para de pé, marcha, giro, transferência de pé para sentado) e quanto ao escore total do TUG-ABS. Também foi feita uma análise de correlação entre o escore total do TUG-ABS e o escore total do teste SPPB. Resultados: Ao comparar o escore total do TUG-ABS entre os grupos, foram verificadas diferenças estatisticamente significantes (p < 0,05), bem como ao comparar os escores de cada item, exceto na atividade de sentado para de pé, em que os grupos obtiveram as pontuações semelhantes (p > 0,05). A marcha e o giro foram os itens que apresentaram maior discrepância entre os grupos. Foi verificada ainda uma correlação moderada e positiva entre o escore total do teste TUG-ABS com o SPPB (p < 0,001; r = 0,66). Conclusão: O teste TUG-ABS parece ser de fato, um instrumento válido para avaliar a mobilidade funcional de indivíduos com DP, capaz de fornecer informações sobre as estratégias biomecânicas usadas nas atividades de mobilidade funcional, permitindo ainda a identificação das atividades que estão mais afetadas nesses indivíduos e que repercutem no tempo de realização do teste TUG.
Abstract: Introduction: Parkinson's disease (PD) is a neurodegenerative disorder, whose main motor signals - postural instability, bradykinesia, rest tremor and stiffness - progress decreasing functional mobility. For the evaluation of functional mobility, the Timed Up and Go (TUG) test and also the Short Physical Performance Battery (SPPB) test have been widely used. Recently, the Timed Up and Go Assessment of Biomechanical Strategies (TUG-ABS) test was developed to complement information brought by the TUG test; however, it has still been rarely used in individuals with PD. Objectives: To analyze the functional mobility activities performed by individuals with PD, through the TUG-ABS test. Methods: Twenty-seven volunteers of both sexes, mean age of 61.1 years, in the mild to moderate phase of the disease participated in this study. Participants were asked to perform the TUG test, and their performance was recorded in conventional filming. The recordings served to score the TUG-ABS test, made by an experienced examiner. Participants were also evaluated with the SPPB test. For mobility analysis, participants were divided into two groups: more impaired mobility (more than 10 seconds to complete the TUG test) and less compromised mobility (TUG test in up to 10 seconds). The groups were compared as to the scores of each sub-item (sitting to standing, walking, turning, transfer from standing to sitting) and the total TUG-ABS score. A correlation analysis was also performed between the total TUG-ABS score and the total score of the SPPB test. Results: When comparing the total TUG-ABS score between the groups, statistically significant differences (p <0.05) were observed, as well as when comparing the scores of each item, except in the sitting-to-standing activity, in which the groups scored similar scores (p> 0.05). The gait and the spin were the items that presented the greatest discrepancy between the groups. There was also a moderate and positive correlation between the TUG-ABS total score and SPPB (p <0.001; r = 0.66). Conclusion: The TUG-ABS test seems to be a valid instrument to evaluate the functional mobility of individuals with PD, capable of providing information about the biomechanical strategies used in functional mobility activities, also allowing identification of the activities that are most affected in these individuals and that have repercussions in the time of the TUG test.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8859
Other Identifiers: 2014092302
Appears in Collections:Fisioterapia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Usodoinstrumento_Pegado_2019.pdfUsodoinstrumento_Pegado_2019914.47 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons