Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8570
Title: Desenvolvimento da comunicação e linguagem na criança com Transtorno do Espectro Autista - TEA
Other Titles: Communication and language development in children with Autistic Spectrum Disorder - TEA
Authors: Coutinho, Felipe Teixeira
Keywords: Autismo; Comunicação; Linguagem;Autism; Communication; Language
Issue Date: 20-Jul-2018
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: COUTINHO, Felipe Teixeira. Desenvolvimento da comunicação e linguagem na criança com Transtorno do Espectro Autista - TEA. 2018. 12f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Programa de Pós-Graduação em Psicomotricidade Clínica e Escolar, Departamento de Educação Física, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, RN, 2018.
Portuguese Abstract: Quando falamos em autismo, a comunicação é o maior desafio em pessoas diagnosticadas com esse transtorno. Um aspecto característico a todos autistas é a dificuldade de socialização, dificuldade na maneira de se expressar e, principalmente, compreender as mensagens que lhes são direcionadas. Todas as pessoas que participam ativamente da vida de um autista, sejam elas, terapeutas, professores da escola, familiares, amigos, etc. Todos ao seu entorno, encontram muitas dificuldades no processo de ensino e aprendizagem, até mesmo as atividades mais básicas e comuns do nosso cotidiano, como ir ao banheiro sozinho, utilizar o vaso sanitário, tomar banho, pentear o cabelo ou escovar os dentes. Por outro lado, estudos apontam para que os autistas tendem a serem mais sensíveis à linguagem visual do que à linguagem oral ou escrita. Quando fazemos associações de figuras, desenhos, com alguma situação do cotidiano, percebemos que a informação emitida é muitas vezes melhor assimilada. Devido a esses estudos, muitas terapias fazem o uso de abordagens educativas por meio de linguagem visual, utilizando figuras para que o autista possa se comunicar e expressar o que está querendo ou sentindo. Visto que as crianças que possuem essa patologia acabam sendo excluídas da sociedade pela sua dificuldade de interação e afetividade, verificou-se a importância da mudança nas práticas interativas com essas crianças, passando a considerar a criança com autismo como um sujeito que está imerso nas práticas sociais.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8570
Other Identifiers: 20172001061
Appears in Collections:Especialização em Psicomotricidade Clínica e Escolar

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DesenvolvimentodaComunicaçãoeLinguagemnaCriança_Coutinho_2018Monografia160,62 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons