Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8508
Title: Marcadores cognitivos em escolares praticantes e não praticantes de atividades esportivas
Authors: Barbosa, Patrício Ruan de Sousa
Keywords: Criança;Adolescente;Educação Física e treinamento;Cérebro
Issue Date: 12-Dec-2018
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: BARBOSA, Patrício Ruan de Sousa. Marcadores cognitivos em escolares praticantes e não praticantes de atividades esportivas. 2018. 15 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Departamento de Educação Física, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, RN, 2018.
Portuguese Abstract: Introdução: O controle inibitório, que é um dos componentes das funções executivas, dá a possibilidade de escolha e mudança nas ações que teriam respostas condicionadas e impulsivas, sendo também associado ao bom desempenho esportivo e acadêmico de crianças e adolescentes. Objetivo: Comparar o desempenho no teste de controle inibitório de jovens que participam de treinamento esportivo e educação física escolar com os que se restringem à educação física na escola. Métodos: Foram selecionados 148 sujeitos, sendo 87 que participam de treinamento esportivo e das aulas de educação física na escola (PTE) e 61 jovens que praticam apenas a educação física escolar (PEF). Os grupos foram diferenciados mediante entrevista e para caracterizar a amostra foram coletadas a massa, estatura e a idade cronológica, sendo as do grupo (PTE) (38,50 + 10,5), (1,44 + 0,08) e (10,60 + 0,8) e as do grupo (PEF) (40,00 + 16,30), (1,45 + 0,09) e (10,80 + 0,9), respectivamente. A mensuração do desempenho de controle inibitório foi realizada através do stroop test, mediante a utilização de um notebook e os resultados foram expressos em milissegundos. Antes das avaliações foi realizada a familiarização. Resultados: Os participantes do grupo (PTE) mostraram melhor desempenho no tempo de reação total (68476,00+13033,00) comparado ao grupo (PEF) (85016,00+19941,00). Além disso, na etapa 3 do stroop test, na qual o controle inibitório é efetivamente avaliado, o grupo (PTE) foi superior ao grupo (PEF), (2275,00+526,90) e (2762,30+869,80), respectivamente. A quantidade de erros também se mostrou menor nessa etapa para o grupo (PTE) em relação ao grupo (PEF), sendo (1,00+2,00) e (3,00+8,00), respectivamente. Para todos os resultados houve diferença significativa (p<0,05). Conclusão: A participação em programa de treinamento esportivo promove melhora no controle inibitório de jovens. Além disso, é possível sugerir que aumento no número de sessões de exercício físico pode ter relação com o desenvolvimento do controle inibitório.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8508
Other Identifiers: 2014072515
Appears in Collections:Educação Física (bacharelado)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MarcadoresCognitivosemEscolaresPraticantes_Barbosa_2018
Restricted Access Until 2019-12-20
Parte da monografia submetida e aceita para publicação na revista American Journal of Sports Training
Artigo357,22 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons