Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8144
Title: Prevalência da dor, fadiga e depressão em pacientes pós Acidente Vascular Cerebral: Estudo transversal
Other Titles: Prevalence of pain, fatigue and depression in post-stroke patients: a cross-sectional study
Authors: Gondim, Afonson Luiz Medeiros
Keywords: Acidente vascular cerebral;Stroke;Depressão;Depression;Fadiga;Fatigue;Dor;Pain
Issue Date: 4-Dec-2018
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: GONDIM, Afonson Luiz Medeiros. Prevalência da dor, fadiga e depressão em pacientes pós Acidente Vascular Cerebral: Estudo transversal. 2018. 40f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fisioterapia) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairí, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Santa Cruz, 2018.
Portuguese Abstract: Objetivo: Identificar a prevalência da dor, fadiga e depressão na população pós-AVC. Métodos: Estudo transversal observacional com amostra por conveniência, não probabilística, realizado com 30 pacientes pós-Acidente Vascular Cerebral (AVC), na cidade de Santa Cruz, no estado do Rio Grande do Norte. Foram avaliadas, a Dor, Depressão e Fadiga afim de detectar sua prevalência e correlacionar com instrumentos clínicos, como a medida de independência funcional (MIF), escala de desempenho físico de Fugl-Meyer e Avaliação Sensitiva de Nottighann. Para análise dos dados foi utilizado o programa BioEstat 5.0., e utilizado o teste de Shapiro-Wilk para analisar a normalidade dos resultados que em sua maioria apresentou dados não normais, foi utilizado o teste de correlação de Spearman, coeficiente de correlação foi interpretado de acordo com Munro. Foi considerado p<0,05. Resultados: A prevalência de dor foi 40%, em relação a fadiga 27% apresentam o sintoma, e depressão foi apresentada por 50% dos indivíduos. Houve correlação significativa entre a fadiga e depressão comparado com MIF e FM. Conclusão: A depressão e a fadiga influênciam nos escores da MIF e Fugl-Meyer em indivíduos pós-AVC, a fadiga mostrou uma correlação moderada em comparação com a escala de desempenho de Fugl-Meyer, entretanto a Dor não mostrou resultados significativos, apesar de terem uma alta prevalência.
Abstract: Objective: To identify the prevalence of pain, fatigue and depression in the post-stroke population. Methods: A non-probabilistic, observational cross-sectional study was performed with 30 patients after stroke in the city of Santa Cruz, Rio Grande do Norte state. Pain, depression and fatigue were evaluated in order to detect their prevalence and to correlate with clinical instruments such as functional independence measure (FIM), Fugl-Meyer physical performance scale and Nottighann Sensory Evaluation. For the data analysis, the BioEstat 5.0 program was used, and the Shapiro-Wilk test was used to analyze the normality of the results that mostly presented non-normal data, using the Spearman correlation test, correlation coefficient was interpreted as according to Munro. It was considered p <0.05. Results: The prevalence of pain was 40%, in relation to fatigue 27% presented the symptom, and depression was presented by 50% of the individuals. There was a significant correlation between fatigue and depression compared to MIF and FM. Conclusion: Depression and fatigue influenced the FIM and Fugl-Meyer scores in post-stroke individuals; fatigue showed a moderate correlation compared to the Fugl-Meyer performance scale; however, Pain did not show significant results, although have a high prevalence.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/8144
Other Identifiers: 2014064934
Appears in Collections:Fisioterapia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
prevalencianoavc_Gondim_2018.pdf816.2 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons