Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/8114
Title: Prática avançada em enfermagem obstétrica: indicadores assistenciais entre médicos e enfermeiros
Authors: Monteiro, Cláudia Cecília de Moura Melo
Keywords: Serviços e Saúde Materno-Infantil;Qualidade da assistência à saúde;Segurança do paciente;Prática Clínica Baseada em Evidências;Enfermagem obstétrica
Issue Date: 2-Oct-2018
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: MONTEIRO, Cláudia Cecília de Moura Melo. Prática avançada em enfermagem obstétrica: indicadores assistenciais entre médicos e enfermeiros. 2018. 23 f. Artigo Científico (Graduação em Enfermagem) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Santa Cruz, 2018.
Portuguese Abstract: Objetivo: analisar e comparar os indicadores relacionados as boas práticas materno-infantis no processo de parto de risco habitual realizado por médicos e enfermeiros em uma maternidade escola. Metodologia: estudo observacional, descritivo e analítico, com coleta de dados retrospectiva em prontuários de uma maternidade universitária no estado do Rio Grande do Norte. Foram avaliados 423 registros de binômios oriundos de partos de risco habitual, sendo 252 no grupo médicos e 171 no grupo enfermeiros. A coleta de dados considerou um período de dezembro de 2015 a setembro de 2016. O tratamento dos dados foi realizado por meio de estatística descritiva e analítica, a partir do programa de estatística Statistical Package for the Social Scienses (SPSS) versão 22.0. Resultados: Na caracterização do parto por classe profissional, os médicos obtiveram um percentual de partos realizados 252 (59,6%) em relação aos enfermeiros obstetras sendo de 171 (40,4%). A avaliação de boas práticas por grupos evidenciou que enfermeiros obtiveram uma média de 2,85 (2,72-2,99) se comparado aos médicos com média de 2,5 IC (2,38-2,62) para as boas práticas maternas. Para as boas práticas ao neonato, verificou-se médias de 0,54 IC (0,44-0,64) e 1,19 IC (1,05-1,33) para médicos e enfermeiros respectivamente. Conclusão: O estudo evidenciou que as boas práticas maternas e ao RN analisadas relatam melhor desempenho do enfermeiro em todos os itens, a exceção da profilaxia para hemorragia pós-parto com ocitocina.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/8114
Other Identifiers: 2014076345
Appears in Collections:FACISA - Enfermagem

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tcc para biblioteca pdf.pdf606.22 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.