Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/7946
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBalen, Sheila Andreoli-
dc.contributor.authorSouza, Ellen Karoline de-
dc.date.accessioned2018-12-17T13:56:19Z-
dc.date.available2018-12-17T13:56:19Z-
dc.date.issued2018-
dc.identifier2015074908pt_BR
dc.identifier.citationSOUZA, Ellen Karoline de. Confiabilidade de protocolos de resolução temporal em adultos. 2018. 27 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Fonoaudiologia. Natal, RN, 2018.pt_BR
dc.identifier.urihttp://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/7946-
dc.description.abstractTheme: The behavioral tests is a frequent clinical practice in audiology due to its great contribution to the diagnosis and speech therapy intervention processes. Objective: To verify the reliability of temporal resolution assessment protocols in adults. Method: A total of 34 subjects, 22 females and 12 males, with anaverage ageof 26.21 years (20 to 52 years old; dp = 8.92) were included, following the criteria: absence of otological and/or audiological history and school complaints; normality in the audiological pattern and in the dichotic test of digits. The Random Gap Detection and Gap in Noise tests, at 50dB, were used. Both were applied in two moments; the second application with a one-week interval of the first. The Wilcoxon test was used to analyze the performance of the sample in the GIN test in the ear and Friedman test in order to analyze the RGDT as a function of the frequency tested in the two moments. The level of significance of 5% was adopted. The intraclass correlation coefficient was used in the analysis of the agreement between the test (T1) and retest (T2) applications by the same evaluator (reproducibility). Results: There was no difference between the frequencies tested in the RGDT (mean) in T1 and T2. There was a difference in GIN performance between the right and left ears in T2. The test-retest reproducibility in the RGDT (mean) and GIN was substantial according to the intraclass correlation coefficient. Conclusion: There is reliability in the RGDT test when compared to the mean frequencies and in the GIN test bilaterally.pt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.language.isootherpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortept_BR
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectAudição.pt_BR
dc.subjectConfiabilidade.pt_BR
dc.subjectResolução temporal.pt_BR
dc.subjectAdultos.pt_BR
dc.titleConfiabilidade de testes de resolução temporal em adultospt_BR
dc.typebachelorThesispt_BR
dc.contributor.referees1Balen, Sheila Andreoli-
dc.contributor.referees2Araújo, Eliene Silva-
dc.description.resumoTema: O uso de testes comportamentais é uma prática clínica frequente na audiologia devido à sua grande contribuição ao diagnóstico e aos processos de intervenção fonoaudiológica. Objetivo: Verificar a confiabilidade dos protocolos de avaliação da resolução temporal em adultos. Método: Participaram da amostra 34 sujeitos, 22 do sexo feminino e 12 do masculino, com média de idade de 26,21 anos (20 a 52 anos; dp= 8,92) seguindo os critérios: ausência de histórico otológico e/ou audiológico e queixas escolares; normalidade no padrão audiológico e no teste dicótico de dígitos. Foram utilizados na pesquisa os testes Random Gap Detection Test e Gap in Noise, a 50dB. Ambos foram aplicados em dois momentos, sendo a segunda aplicação com intervalo de uma semana da primeira. O teste Wilcoxon foi utilizado para análise do desempenho da amostra no teste GIN em função da orelha e Teste de Friedman para análise do RGDT em função da frequência testada nos dois momentos. Foi adotado o nível de significância de 5%.O coeficiente de correlação intraclasse foi utilizado na análise da concordância entre as aplicações teste(T1) e reteste (T2) pelo mesmo avaliador (reprodutibilidade). Resultados: Não houve diferença entre as frequências testadas no RGDT (média) no T1 e T2. Houve diferença no desempenho do GIN entre orelha direita e esquerda no T2. A reprodutibilidade de teste-reteste no RGDT (média) e GIN foi substancial conforme o coeficiente de correlação intraclasse. Conclusão: Há confiabilidade no teste RGDT quando comparada a média das frequências e no teste GIN bilateralmente.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFonoaudiologiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRNpt_BR
dc.subject.cnpqCiências da Saúdept_BR
dc.subject.cnpqFonoaudiologiapt_BR
dc.contributor.referees3Mantello, Erika Barioni-
Appears in Collections:Fonoaudiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Confiabilidade de testes de resolução temporal em adultos_TCC_2018
Restricted Access Until 2019-12-23
O artigo está em avaliação pela Revista Distúrbio da Comunicação(DIC). Solicita-se embargo do trabalho por um ano, até a publicação pela referida revista.
Artigo535.43 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons