Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/7934
Title: Influência da extensão espacial sobre modelos de adequabilidade de habitat para primatas da Mata Atlântica
Authors: Vasquez, Vagner Lacerda
Keywords: Modelagem de nicho ecológico;MaxEnt;AUC
Issue Date: 29-Nov-2018
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: VASQUEZ, Vagner Lacerda. Influência da extensão espacial sobre modelos de adequabilidade de habitat para primatas da Mata Atlântica. 2018. 33f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ecologia) – Curso de Ecologia, Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Portuguese Abstract: A modelagem de adequabilidade de habitat é uma ferramenta que analisa as relações entre a ocorrência de espécies e variáveis ambientais. A definição da extensão espacial utilizada na construção de modelos pode influenciar o resultados dos modelos. Os primatas são o grupo de mamíferos no mundo, e a Mata Atlântica é um bioma importante à conservação desse grupo. Neste estudo, avaliamos como a definição da extensão espacial influencia a adequabilidade de modelos de adequabilidade de habitat para 14 espécies de primatas da Mata Atlântica. Construímos modelos no MaxEnt utilizando três extensões: i) extensão geral, abrangendo os registros de ocorrência de todas as espécies estudadas; ii) extensão da área de estudo (bioma Mata Atlântica); iii) extensão específica (extensão de ocorrência da espécie). Os padrões de adequabilidade se mantiveram nas três abordagens para todas as espécies, porém, a intensidade da adequabilidade variou. Modelos construídos em extensões maiores tiveram alta frequência em valores extremos e modelos construídos utilizando extensões menores tiveram alta frequência em valores intermediários de adequabilidade. Modelos construídos em extensões menores capturam menor variabilidade ambiental, o que provavelmente explica esse resultado. Os valores de adequabilidade dos pixels diferiram significativamente entre as extensões para todas as espécies. Os valores das diferenças entre as adequabilidades dos modelos tiveram predominância em valores positivos e próximos a zero, porém, o padrão espacial das superfícies de diferenças de adequabilidade entre os modelos se manteve. Maiores diferenças entre pares de modelos predominaram entre modelos gerados nas extensões geral e específica. Modelos construídos em maiores extensões estão mais suscetíveis a erros de comissão, entretanto permitem melhor previsão de áreas de ausência. Valores de AUC foram mais altos nas extensões geral e Mata Atlântica. Modelos construídos em grandes extensões resultam em maior taxa de ausência e superestimam as presenças previstas, aumentando os AUCs e os erros de comissão. Embora o padrão espacial não tenha mudado, a diferença na frequência de adequabilidade pode ter consequências quando as superfícies de adequabilidade são convertidas em distribuições geográficas levando em consideração um limite de valor de adequabilidade (threshold).
Abstract: Habitat suitability modeling is a tool that analyzes the relationships between the species occurrence and environmental variables. However, the definition of the spatial extent used in the construction of models can influence the results of the models. Primates are the group of mammals most threatened with extinction in the world, and the Atlantic Forest is an important biome for the conservation of this group. In this study, we evaluated how the definition of spatial extension influences the suitability of habitat suitability models for 14 primate species of Atlantic Forest. We built models in MaxEnt using three extents: i) general extension, covering the occurrence records of all species studied; ii) study area extension (Atlantic Forest); iii) specific extension (occurrence extent of the species). The suitability pattern remained the same in the three approaches for all species, but the intensity of suitability varied. Models constructed in larger extensions had high frequency in extreme values and models constructed using smaller extensions had higher frequency in intermediate values. Models constructed on smaller extensions capture less environmental variability, which probably explain this result. Pixel suitability values differed significantly among extents for all species. The values of the differences among the suitability of the models were predominantly positive and close to zero, however, the spatial pattern of the surfaces of differences of suitability between the models remained the same. Bigger differences predominated between models generated in general and specific extensions. Models constructed in larger extensions are more susceptible to commission errors, however they allow better prediction of absence areas. AUC values were higher in the general and Atlantic Forest extensions. Models constructed on large extensions result in a higher absence rate and overestimate the prediction of presence, increasing AUCs and commissions’ errors. Although the spatial pattern has not changed, the difference in suitability frequency can have consequences when the suitability surfaces are converted into geographic ranges taking into account a limit of suitability value (threshold).
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/7934
Other Identifiers: 20150142994
Appears in Collections:Ecologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_VagnerLV.pdf3.68 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons