Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/7891
Title: Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em trabalhadores da indústria do RN
Authors: Bezerra, Rafaella Bertoldo Dutra
Keywords: Políticas públicas;Doenças não transmissíveis;Saúde do trabalhador
Issue Date: 7-Dec-2018
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: BEZERRA, Rafaella Bertoldo Dutra. Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em trabalhadores da indústria do RN. 2018. 39 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Nutrição. Natal, RN, 2018.
Portuguese Abstract: O presente estudo objetivou avaliar a variação longitudinal da prevalência de Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) em trabalhadores das Indústrias de Transformação do Rio Grande do Norte vinculadas ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). O estudo possui natureza quantitativa e caráter descritivo e comparativo ao longo de 4 anos. Para isso, foram incluídas oito indústrias que aceitaram participar desta nova etapa de pesquisa, onde seus trabalhadores foram avaliados por entrevistadores treinados por meio de um questionário semiestruturado contendo informações autorreferidas de saúde quanto à presença de DCNT, além de medidas antropométricas aferidas para a classificação adequada do Índice de Massa Corporal (IMC). A análise dos dados foi realizada no programa Microsoft Excel®. Foram apresentadas estatísticas descritivas, utilizando-se medidas tendência central e dispersão ou a distribuição percentual das prevalências de interesse do estudo. Os resultados demonstraram uma população predominantemente masculina (54,9%), com média de 40 anos de idade, renda de 1,6 salários mínimos, com a maior parte dos indivíduos com ensino médio completo (53,5%) e, mediante o diagnóstico de IMC, com prevalência de sobrepeso (média de 27,79 kg/m²). Além disso, houve um aumento de 7,7% na prevalência de hipertensão arterial sistêmica (HAS), de 2,1% na de diabetes mellitus tipo 2 e de 3,6% na de excesso de peso, uma constância em 9,9% para hipercolesterolemia e uma redução de 2,1% na de hipertrigliceridemia. Também mostrou um baixo uso de medicamentos pelos indivíduos acometidos por DCNT visto que há uma necessidade de 100% de aderência para controle efetivo dessas doenças e promoção de saúde, e que nem todos faziam o tratamento adequado. Sendo assim, os resultados encontrados no presente estudo permitem concluir que houve uma tendência para o aumento na prevalência de DCNT pesquisadas ao longo de quatro anos, com o uso de medicamentos para o seu controle ainda abaixo do esperado. Por fim, destaca-se a importância do desenvolvimento de estudos dessa natureza, que se dediquem a grupos específicos, como os trabalhadores, e que identifiquem a prevalência de DCNT, bem como o seu avanço, gerando diagnósticos de base populacional que favoreçam a proposição ou o aprimoramento de políticas públicas para o enfrentamento desse problema.
Abstract: O presente estudo objetivou avaliar a variação longitudinal da prevalência de Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) em trabalhadores das Indústrias de Transformação do Rio Grande do Norte vinculadas ao Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). O estudo possui natureza quantitativa e caráter descritivo e comparativo ao longo de 4 anos. Para isso, foram incluídas oito indústrias que aceitaram participar desta nova etapa de pesquisa, onde seus trabalhadores foram avaliados por entrevistadores treinados por meio de um questionário semiestruturado contendo informações autorreferidas de saúde quanto à presença de DCNT, além de medidas antropométricas aferidas para a classificação adequada do Índice de Massa Corporal (IMC). A análise dos dados foi realizada no programa Microsoft Excel®. Foram apresentadas estatísticas descritivas, utilizando-se medidas tendência central e dispersão ou a distribuição percentual das prevalências de interesse do estudo. Os resultados demonstraram uma população predominantemente masculina (54,9%), com média de 40 anos de idade, renda de 1,6 salários mínimos, com a maior parte dos indivíduos com ensino médio completo (53,5%) e, mediante o diagnóstico de IMC, com prevalência de sobrepeso (média de 27,79 kg/m²). Além disso, houve um aumento de 7,7% na prevalência de hipertensão arterial sistêmica (HAS), de 2,1% na de diabetes mellitus tipo 2 e de 3,6% na de excesso de peso, uma constância em 9,9% para hipercolesterolemia e uma redução de 2,1% na de hipertrigliceridemia. Também mostrou um baixo uso de medicamentos pelos indivíduos acometidos por DCNT visto que há uma necessidade de 100% de aderência para controle efetivo dessas doenças e promoção de saúde, e que nem todos faziam o tratamento adequado. Sendo assim, os resultados encontrados no presente estudo permitem concluir que houve uma tendência para o aumento na prevalência de DCNT pesquisadas ao longo de quatro anos, com o uso de medicamentos para o seu controle ainda abaixo do esperado. Por fim, destaca-se a importância do desenvolvimento de estudos dessa natureza, que se dediquem a grupos específicos, como os trabalhadores, e que identifiquem a prevalência de DCNT, bem como o seu avanço, gerando diagnósticos de base populacional que favoreçam a proposição ou o aprimoramento de políticas públicas para o enfrentamento desse problema.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/7891
Other Identifiers: 20150119074
Appears in Collections:Nutrição

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em trabalhadores da indústria_TCC_2018
Restricted Access Until 2019-12-06
Monografia713.28 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons