Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/7198
Título: Avaliação clínica longitudinal da condição periodontal de pacientes reabilitados com coroas totais unitárias
Autor(es): Ribeiro, Anne Kaline Claudino
Palavras-chave: Higiene Bucal;Periodontia;Prótese Dentária;Coroa Dentária
Data do documento: 19-Jun-2018
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Referência: RIBEIRO, Anne Kaline Claudino. Avaliação clínica longitudinal da condição periodontal de pacientes reabilitados com coroas totais unitárias. 2018. Monografia (Graduação) - Departamento de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar longitudinalmente a condição periodontal de pilares dentários reabilitados com coroas totais unitárias. Foram avaliadas 26 coroas totais unitárias previamente a instalação (T0) e por um tempo de acompanhamento de 3, 6 e 12 meses (T1, T2 e T3, respectivamente). A coleta de dados consistiu da obtenção de parâmetros clínicos de Índice de Placa Visível (IPV), Índice de Sangramento Gengival (ISG), Índice de Sangramento a Sondagem (ISS), Profundidade de Sondagem (PS), Nível de Inserção Clínico (NIC), tomada radiográfica e avaliação protética. Os resultados evidenciaram aumento de IPV e ISG em T0-T2 e T0-T3, maior PS e ISS em T0-T3, NIC em T0-T2 e T0-T3 (p<0,05) e reabsorção óssea nos tempos de acompanhamento (p>0,05). Além disso, foi constatado 19,2%, 25% e 23,1% de pilares com desadaptação cervical em T1, T2 e T3, respectivamente. Não houve nenhuma relação estatisticamente significativa (p>0,05) entre a desadaptação cervical e os seguintes parâmetros: IPV, alterações clínicas periodontais e a reabsorção óssea nos pilares avaliados. O tipo de material da prótese teve associação estatística significativa (p<0,05) quando comparado à desadaptação cervical em T1 e quando associado ao IPV em T3. A partir dos parâmetros clínicos periodontais, foi verificado aumento de IPV, ISG, PS, ISS e NIC. Logo, é preciso cautela ao confeccionar próteses fixas, uma vez que a desadaptação cervical pode contribuir para acúmulo de biofilme. Então, antes de realizar qualquer tratamento reabilitador protético recomenda-se a manutenção da saúde periodontal e o controle de biofilme, para que a prótese fixa tenha longevidade.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/7198
Outros identificadores: 2013087040
metadata.dc.description.embargo: 2019-08-30
metadata.dc.description.other: ESPERANÇA NA PUBLICAÇÃO DO TRABALHO.
Aparece nas coleções:Odontologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
[2018.1] Avaliação clínica longitudinal da condição periodontal de pacientes reabilitados com coroas totais unitárias.pdfTrabalho de conclusão de curso - odontologia 2018.11.77 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.