Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/6662
Título: Controle da tuberculose na Estratégia de Saúde da Família no município de Arcoverde.
Autor(es): Ferreira, Renata Freire de Queiroz Salles
Palavras-chave: Tuberculose;Estratégia Saúde da Família;Projeto de Intervenção
Data do documento: 25-Set-2017
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Referência: FERREIRA, Renata Freire de Queiroz Salles; MELO, Maria Celeste Nunes de (Orient.). Controle da tuberculose na Estratégia de Saúde da Família no município de Arcoverde. 2017. 12 f. Projeto de Intervenção. (Especialização em Gestão em HIV/Aids/Hepatites Virais e Tuberculose – Educação a Distância) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Resumo: Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a tuberculose é a doença infecciosa mais mortal do planeta, superando a Aids. As estimativas apontam que a doença matou 1,5 milhão de pessoas em 2014, contra 1,2 milhão de vítimas do HIV. O Brasil ocupa atualmente, ainda segundo a OMS, a 18ª posição no ranking de países mais afetados pela doença, estando situado, nesse sentido, entre os 22 países do mundo responsáveis por 80% dos casos mundiais. Em vista disso, tem-se adotado em cidades brasileiras a Estratégia Saúde da Família para articular o combate sistemático à tuberculose, a partir de uma série de medidas que, sistematizadas em planos de intervenção, vêm a beneficiar famílias com sujeitos acometidos pela doença. O presente projeto de intervenção tem por objetivo propor um plano de combate à tuberculose a partir da Estratégia de Saúde da Família no município de Arcoverde/PE, com a intenção de possibilitar aos cidadãos do município, bem como, de municípios que se avizinham à cidade, serviços públicos no sistema de atenção básica, através das Unidades Básicas de Saúde da Família, necessários ao processo de adesão ao tratamento, sua manutenção e orientação contra o preconceito e a desinformação. Para isso, a metodologia será elaborada a partir dos seguintes nós críticos: não adesão ao tratamento; famílias desestruturadas; abandono do tratamento e desinformação/preconceito.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/6662
Outros identificadores: 20162007553
Aparece nas coleções:Especialização sobre Gestão das Políticas de DST/Aids, Hepatites Virais e Tuberculose

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Projeto-Envio-Final Renata.pdfArtigo Principal217,06 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons