Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/6467
Title: A percepção dos profissionais de uma equipe de saúde da família frente o pré e o pós-teste rápido de HIV.
Authors: Kasperbauer, Gustavo
Keywords: HIV, Síndrome da Imunodeficiência adquirida, Aconselhamento
Issue Date: 1-Jun-2017
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: KASPERBAUER, Gustavo; SANTOS, Marquiony Marques dos (Orient.). A percepção dos profissionais de uma equipe de saúde da família frente o pré e o pós-teste rápido de HIV. 2017. 11 f. Trabalho de Conclusão. (Especialização em Gestão em HIV/Aids/Hepatites Virais e Tuberculose – Educação a Distância) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: A promoção do acesso ao diagnóstico e à prevenção do vírus da imunodeficiência humana (HIV) e das demais DST e a integralidade no cuidado permanecem como desafios a serem superados pelos novos gestores e os profissionais envolvidos no cuidado. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi compreender a percepção dos profissionais da atenção básica acerca da realização do aconselhamento pré-teste, testagem e pós-teste HIV. Para tanto, foram realizadas cinco entrevistas semiestruturadas com profissionais-chave. As entrevistas buscaram avaliar as condições para o aconselhamento; narrativas de casos sobre como foram realizados o pedido e a comunicação de resultado de HIV e dificuldades e facilidades para realização do pedido e da comunicação do teste anti-HIV. As entrevistas foram gravadas e transcritas pelo próprio pesquisador, que também realizou anotações em um caderno de campo sobre as condições da entrevista. Segundo a perspectiva dos profissionais de saúde, descreve-se em conta quais são aspectos contextuais que fazem parte do pedido e da comunicação de resultado do teste anti-HIV e se relacionam com o acolhimento nos serviços; analisou-se as situações do pedido de teste anti-HIV e a comunicação de seu resultado. Uma questão relacionada à organização do trabalho relatada pelos entrevistados é que geralmente não são os mesmos profissionais que realizam o pedido e a comunicação do resultado de teste anti-HIV. Alguns entrevistados disseram ter refletido sobre sua prática a partir da entrevista. Apesar do tempo dispendido para conceder a entrevista e do receio de alguns profissionais em serem avaliados, todos demonstraram alguma satisfação por terem reconhecida sua experiência profissional como valorosa. Os profissionais relataram algumas dificuldades tanto de caráter estrutural como pouco tempo para a consulta devido à alta demanda, falta de profissionais e de estrutura física adequada para consultas. Evidencia-se a dificuldade dos profissionais em lidar com a afetividade como obstáculo para realização da prática do acolhimento e do aconselhamento. Observou-se, no entanto, que não basta inserir um protocolo padronizado para testagem anti-HIV para haver a prática do aconselhamento nos serviços. Espaços contínuos para discussão de casos contribuiriam para apoiar os profissionais quando tiverem de lidar com dilemas éticos e morais, motivos de grande mobilização afetiva. Dessa maneira, os profissionais poderiam se sentir apoiados para realizar a prática de acolhimento e, particularmente, de aconselhamento eficaz e humanizados.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/6467
Other Identifiers: 20162010263
Appears in Collections:Especialização sobre Gestão das Políticas de DST/Aids, Hepatites Virais e Tuberculose

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PercepcaoProfissionaisPosTesteHIV_Kasperbauer_2017.pdf524.86 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons