Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/5745
Title: Concepções de docentes frente aos processos de escolarização de estudantes com autismo na cidade de Apodi/RN
Authors: Silva, Gabriela Maia da
Keywords: Estratégias;Autismo;Transtorno do Espectro Autista;Inclusão
Issue Date: 2017
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: SILVA, Gabriella Maia da. Concepções de docentes frente aos processos de escolarização de estudantes com autismo na cidade de Apodi/RN. 2017. 25f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia), Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: Um tema bastante relevante na sociedade atual é a inclusão. No âmbito escolar isso tem sido discutido de forma muito intensa. Neste contexto, entre os alunos que podem ser considerados como estudantes com deficiência encontram-se pessoas com autismo. O Autismo e todos os distúrbios, incluindo o transtorno autista, transtorno desintegrativo da infância, transtorno generalizado do desenvolvimento não especificado (PDD-NOS) e Síndrome de Asperger, fundiram-se em um único diagnóstico chamado de Transtornos do Espectro Autista – TEA. Considerando a problemática envolvendo concepções dos docentes acerca do TEA em salas de aulas comuns, o objetivo geral desse trabalho é descrever concepções das professoras acerca dos processos de escolarização de estudantes com autismo na cidade de Apodi/RN. A fim de alcançar esses objetivos, foi desenvolvida uma pesquisa de caráter qualitativo. Os dados foram coletados a partir de um questionário aplicado a seis professoras do ensino fundamental denominadas nesse estudo como P1, P2, P3, P4, P5, P6. A partir da análise do questionário aplicado a essas professoras, verificamos que as escolas assim como as professoras têm enfrentado algumas barreiras para inclusão de alunos com TEA, sendo elas: conhecimento limitado sobre o TEA e estratégias e lacunas na formação continuada; aspectos relacionados à estrutura da instituição; dificuldade de diálogo entre família e escola; e, além disso, em alguns casos verificamos concepções de senso comum dos profissionais de educação, que compreendem as dificuldades da criança com TEA apenas como socialização, desconsiderando a sua capacidade de aprendizagem de conteúdos ministrados em sala de aula. Portanto, podemos concluir que a formação continuada, a estruturação das escolas, a garantia do direito ao Atendimento Educacional Especializado (AEE), o diálogo mais consistente e consciente entre família e escola, são estratégias que podem ajudar a vencer as barreiras que estão dificultando o aprendizado e a inclusão de alunos com TEA.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/5745
Other Identifiers: 2014007778
Appears in Collections:Pedagogia (A distância)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Processos de escolarização_Artigo_2017.pdfArtigo Principal238.11 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons