Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/5662
Title: Direito fundamental à intimidade: a interceptação telefônica e a publicização de seu conteúdo
Authors: Emerenciano, Melissa Fernandes Ferreira
Keywords: Processo penal;Direito à intimidade;Interceptação telefônica;Divulgação;Lei n. 9.296, de 1996
Issue Date: 2017
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: EMERENCIANO, Melissa Fernandes Ferreira. Direito fundamental à intimidade: a interceptação telefônica e a publicização de seu conteúdo. 2017. 80f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito), Departamento de Direito, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: Esta pesquisa tem por escopo a análise do instituto da interceptação telefônica e da publicização de seus conteúdos sob a ótica da garantia constitucional da intimidade. A proteção das comunicações telefônicas é cláusula expressa no artigo 5º, XII, da Constituição da República. As hipóteses e as formas em que pode haver a intervenção estatal nesse tipo de comunicação são disciplinadas pela Lei n. 9.296, de 24 de julho de 1996. Tal diploma traz a regra do sigilo das gravações, transcrições e diligências que se referem à medida cautelar da interceptação telefônica. Nada obstante, tem sido frequente a publicização, muitas vezes marcada por contornos sensacionalistas, do conteúdo obtido através de tal medida. Este trabalho tem como objetivo geral investigar se divulgação dos áudios das interceptações telefônicas no Brasil, da forma como colocada atualmente, macula garantias constitucionais do investigado ou acusado. Possui os objetivos específicos de examinar o direito fundamental à intimidade; realizar uma aproximação crítica do atual regime normativo das interceptações telefônicas; e analisar a legalidade da pubilicização do conteúdo obtido através das interceptações telefônicas. Trata-se de Pesquisa descritiva, de caráter exploratório e intervencionista. Propõe-se a edição de lei que responsabilize, por meio de multa de natureza administrativa, a empresa de comunicação que comprovadamente tenha divulgado de forma ilícita o conteúdo de interceptações telefônicas, violando, portanto, o sigilo devido, além do condicionamento da divulgação ao exercício da garantia da ampla defesa.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/5662
Other Identifiers: 2013025323
Appears in Collections:Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MelissaFFE_Monografia.pdfDireito1.05 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.