Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/5215
Title: Fitotoxicidade do corante laranja reativo 64 como efluente têxtil tratado por oxidação avançada (US/H2O2)
Authors: Rocha, Bárbara da Silva
Keywords: laranja reativo 64;poa;corantes têxteis;tratamento de efluentes;fitotoxicidade;reactive orange 64;aop;textile dyes;effluents treatment;phytotoxicity
Issue Date: 22-Nov-2017
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: ROCHA, Bárbara da Silva. Fitotoxicidade do corante Laranja Reativo 64 como efluente têxtil tratado por oxidação avançada (US/H2O2). 2017. 50f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Química), Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: A presença de corantes nos corpos d’água representam um risco ambiental não somente por dificultar a passagem de luz e prejudicar a fotossíntese, mas também devido ao potencial tóxico desses compostos. A principal fonte de contaminação são os efluentes das indústrias têxteis, que possuem grandes quantidades de corantes provenientes do processo de tingimento. Implementar técnicas eficazes na remoção da cor é um desafio, pois esses compostos são altamente recalcitrantes. Além disso, estudos têm mostrado que os produtos formados pela degradação de corantes podem ser mais tóxicos que os compostos de origem. O presente trabalho utilizou ensaios de fitotoxicidade com sementes de alface para avaliar a toxicidade do corante têxtil Laranja Reativo 64 submetido a oxidação avançada através da combinação de peróxido de hidrogênio. O efeito das amostras não tratadas (T0), logo após o tratamento (T2) e 168 h depois do tratamento (T168) sobre a germinação e sobre o crescimento da radícula e do hipocótilo foi analisado, estimando a inibição desses parâmetros. Para a amostra T0 obtiveram-se percentuais de inibição de 4,47% sobre a germinação; 13,12% sobre a radícula; e 6,23% sobre o hipocótilo. Para a amostraT2: 10,06% sobre a germinação; 63,2% para a radícula; e 34,82% sobre o hipocótilo. E para T168: 13,41% sobre a germinação; 62,77% sobre a radícula; e 39,66% sobre o hipocótilo. Verificou-se, então, que a amostra sem tratamento resultou em percentuais de inibição bem menores em comparação com as amostras tratadas e estas apresentaram valores muito próximos entre si. A análise do crescimento relativo da raiz mostrou que T0 não causou efeito nocivo enquanto T2 e T168 causaram inibição. Assim, concluiu-se que o tratamento oxidativo levou a formação de produtos mais tóxicos.
Abstract: The presence of dyes in water bodies represent an environmental risk not only by hindering the passage of light and impairing photosynthesis but also due to the toxic potential of these compounds. The main source of contamination are the effluents form textile industries, which have large amounts of dyes from the dyeing process. To implement effective techniques in color removal is a challenge since these compounds are highly recalcitrant. Moreover, studies have shown degradation products of dyes may be more toxic than its parental compounds. This paper used lettuce seed germination assays to evaluate the toxicity of Reactive Orange 64 after advanced oxidation through combination of hydrogen peroxide and ultrasound. The effect of untreated (T0), treated (T2) and 168 h after treatment (T168) samples on germination, root and hypocotyl growth was analyzed, estimating the inhibition for each parameter. To sample T0 the inhibition percentage was 4,47% on germination; 13,12% on root; and 6,23% on hypocotyl. To sample T0: 10,06% on germination; 63,2% on root; 34,82% on hypocotyl. To sample T16: 13,41% on germination; 62,77% on root; e 39,66% on hypocotyl. It was observed that untreated sample resulted in lower inhibition than the treated ones e these did not show major difference between them. The analysis of relative root growth values for each sample showed T0 didn’t cause harmful effect meanwhile T2 and T168 caused inhibition. Thus, it was concluded that the oxidative treatment led to the formation of toxic products.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/5215
Other Identifiers: 2012940610
Appears in Collections:Engenharia Química

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Fitotoxicidadedocorante_Monografia.pdfMonografia1.23 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.