Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/4823
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSouza, Lélia Batista de-
dc.contributor.authorMedeiros, Wenya Kayse Duarte de-
dc.date.accessioned2017-09-26T14:12:15Z-
dc.date.issued2016-11-28-
dc.identifier2013039249pr_BR
dc.identifier.citationMEDEIROS, Wenya Kayse Duarte de. Estudo epidemiológico de tumores odontogênicos no período de 1996 a 2015.2016. Monografia (GRADUAÇÃO) Departamento de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016pr_BR
dc.identifier.urihttp://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/4823-
dc.languagept_BRpr_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortepr_BR
dc.rightsembargoedAccesspr_BR
dc.subjectTumores odontogênicospr_BR
dc.subjectEpidemiologiapr_BR
dc.subjectNeoplasias Maxilomandibularespr_BR
dc.titleEstudo epidemiológico de tumores odontogênicos no período de 1996 a 2015.pr_BR
dc.typebachelorThesispr_BR
dc.description.embargo2017-11-28-
dc.contributor.referees1SOUZA, Lélia Batista de-
dc.contributor.referees2PINTO, Leão Pereira-
dc.description.resumoOs tumores odontogênicos são entidades importantes por apresentar as mais diversas características clínico/radiográficas, histopatológicas e comportamentos biológicos. São considerados neoplasmas incomuns de maxila e mandíbula, difíceis de diagnosticar e que apresentam terapêutica desafiadora. Este trabalho tem como objetivo determinar o perfil epidemiológico dos diversos tipos de tumores odontogênicos diagnosticados e registrados no Serviço de Anatomia Patológica da disciplina de Patologia Oral do Departamento de Odontologia da UFRN no período de 20 anos (1996-2015) para posterior comparação com outros estudos realizados em serviços de Patologia Oral. Foram encontrados 203 casos de tumores odontogênicos no período anteriormente citado, dos quais o odontoma foi a lesão mais comum correspondendo a 41,8% da amostra, seguido do ameloblastoma (38%). Mais de 50% dos casos ocorreram no sexo feminino, enquanto que o masculino foi acometido em 42,4% dos casos. Com relação à localização anatômica, a mandíbula foi a mais afetada (60%), quando comparada à maxila (35,5%). A respeito da distribuição da idade foram observados picos de incidência na segunda e terceira décadas de vida. Concluiu-se que há diferenças com relação ao tipo, frequência, sexo, localização anatômica e idade entre as populações no Brasil e no mundo, indicando que algumas variações podem estar relacionadas às diferenças geográficas, levando também em consideração os fatores genéticos e socioeconômicos. Diante disso, acredita-se que o estudo em questão é de suma relevância para a clínica odontológica, tendo em vista de que quanto mais bem informado estiver o cirurgião dentista, maiores serão as possibilidades de um diagnóstico correto, bem como tratamento precoce e adequado.pr_BR
dc.publisher.countryBrasilpr_BR
dc.publisher.departmentOdontologiapr_BR
dc.publisher.initialsUFRNpr_BR
dc.contributor.referees3SANTOS, Pedro Paulo de Andrade-
Appears in Collections:Odontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[2016.2] ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE TUMORES ODONTOGÊNICOS NO PERÍODO DE 1996 A 2015.pdf592.95 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.