Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/4535
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorBorba, Pedro Brito-
dc.date.accessioned2017-08-03T15:52:11Z-
dc.date.available2017-08-03T15:52:11Z-
dc.date.issued2016-
dc.identifier2012911832pr_BR
dc.identifier.citationBORBA, Pedro Brito. Análise histopatológica do efeito da olmesartana em modelo animal de mucosite intestinal induzida por metotrexato. 2016. 36 f. TCC (Graduação) - Curso de Biomedicina, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.pr_BR
dc.identifier.urihttp://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/4535-
dc.languagept_BRpr_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortepr_BR
dc.rightsopenAccesspr_BR
dc.subjectMetotrexatopr_BR
dc.subjectMetotrexatepr_BR
dc.subjectInflamaçãopr_BR
dc.subjectInflammationpr_BR
dc.subjectMucosite Intestinalpr_BR
dc.subjectIntestinal Mucositispr_BR
dc.titleAnálise histopatológica do efeito da olmesartana em modelo animal de mucosite intestinal induzida por metotrexatopr_BR
dc.typebachelorThesispr_BR
dc.contributor.referees1Araújo, Aurigena Antunes-
dc.contributor.referees2Oliveira, Ana Luíza Cabral de Sá Leitão-
dc.description.resumoO metotrexato (MTX) é um composto análogo do ácido fólico e é comumente utilizado no tratamento de artrite reumatoide e psoríase, além de leucemias e de outros tumores malignos. Apesar de apresentar alta eficiência seus efeitos adversos acabam limitando seu uso, dentre esses efeitos destacam-se a supressão da medula óssea e a mucosite intestinal, que é uma das maiores causas de morbidade em adultos e crianças. A olmesartana (OLM), um antgonista do receptor da angiotensina II, utilizado no tratamento da hipertensão, vem sendo estudado por apresentar propriedades reguladoras do processo inflamatório. O objetivo do nosso estudo foi avaliar a atividade da olmesartana em um modelo animal de mucosite intestinal induzida por MTX. Os animais foram submetidos ao estresse através da administração oral de OLM (0,5, 1.0 e 5.0 mg/kg), e após 30 minutos da aplicação intraperitoneal (i.p) de MTX na dose de 7 mg/kg por 3 dias consecutivos. Em seguida amostras do intestino delgado do duodeno, jejuno e íleo foram retiradas para análises histopatológicas de parâmetros inflamatórios por Hematoxilina e eosina, assim como, por imunohistoquímica dos marcadores metaloproteinases (2 e 9), cicloxigenase 2 (COX-2), Rank, Rank-L e SOCS-1 . Em todos os grupos analisados foram observados uma redução no processo inflamatório, sendo o melhor resultado visto na região jejunal no grupo MTX-OLM 5 (p<0.001), além disso, nesse grupo foi observado uma redução nos marcadores pró inflamatórios MMP-2, MMP-9, COX-2, RANK e RANKL (p<0,05) como também um aumento de SOCS-1 (p<0,05) em comparação ao grupo MTX.pr_BR
dc.publisher.countryBrasilpr_BR
dc.publisher.departmentBiomedicinapr_BR
dc.publisher.initialsUFRNpr_BR
Appears in Collections:Biomedicina

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AnaliseHistopatologicaEfeito_Borba_2016.pdfMonografia1.17 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.