Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/4526
Title: Mudando de casa: efeito de realocação de recinto e composição social no padrão comportamental de Macacos-Prego (Sapajus libidinosus)
Authors: Koether, Bianca
Keywords: Primatas;Primates;Bem-estar;Welfare;Comportamento;Behavior
Issue Date: 29-Jun-2017
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: KOETHER, Bianca. Mudando de casa: efeito de realocação de recinto e composição social no padrão comportamental de Macacos-Prego (Sapajus libidinosus). 2017. 51 . Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) - Departamento de Psicobiologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: Eventos de realocação a um novo recinto bem como a entradas de novos indivíduos no grupo afetam diretamente o bem-estar de animais em cativeiro. Neste estudo investigamos os efeitos da mudança de recinto e composição de grupo no padrão comportamental de 15 macacos-prego (Sapajus libidinosus) cativos. Testamos as hipóteses de que haveria mudanças comportamentais, e previmos que comportamentos indicativos de estresse iriam diminuir após mudança para um ambiente mais enriquecido, ao mesmo tempo em que haveria um aumento de comportamentos sociais devido a mudança na composição do grupo. Além disso, previmos que não haveria diferenças quanto aos sexos. As observações foram realizadas de agosto a novembro de 2016, e divididas em três fases; 1) Aquário de Natal, 2) CETAS-Ibama RN com enriquecimento; 3) CETAS-Ibama RN com grupos unidos. No total, os animais foram observados por 61 horas e 41 minutos. Nossos resultados corroboram parcialmente nossas hipóteses, indicando diferenças significativas para cada fase, porém com diferenças entre os sexos. Apesar do estresse agudo do transporte, o aumento do enriquecimento físico no novo ambiente diminuiu a expressão de estereotipias. Quanto a alimentação, fêmeas demonstraram uma maior diminuição na ingestão de alimentos entre as fases enquanto que machos tiveram um aumento. A variável interação com o ambiente demonstrou uma diminuição em ambos os sexos assim como a vocalização, havendo uma diferença para fêmeas serem mais manipulativas que machos. O padrão de organização social tolerante da espécie pode explicar o aumento de comportamentos sociais afiliativos (e não de agonísticos) durante a formação de novos grupos. Os dados indicam que fêmeas sofrem mais com o efeito de relocação. Esses resultados reforçam a importância dos estudos etológicos como ferramenta para monitoramento de bem-estar animal e da importância do enriquecimento físico e social para os animais.
Abstract: Events of relocation to a new enclosure as well as the entry of new individuals into the group directly affect the welfare of captive animals. In this study, we investigated the effects of the change of enclosure and group composition on the behavioral pattern of 15 captive capuchin monkeys (Sapajus libidinosus). We tested the hypotheses that there would be behavioral changes, and we predicted that behaviors indicative of stress would decrease after moving to a more enriched environment, at the same we predicted an increase in social behaviors due to the increase and change of the group's composition. In addition, no changes were expected in the sexes. Observations were made during the months of August to November of 2016, and were divided into three phases; 1) in the Natal’s Aquarium; 2) conducted in CETAS-IBAMA RN, an enriched environment 3) also conducted in CETAS-IBAMA RN but with all the enclosures were connected to allow all individuals to interact with each other. In total, the animals were observed for 61 hours and 41 minutes. Our results partially corroborate our hypotheses, indicating significant differences for each phase and for sex variable. Our data show that, despite the acute stress of transportation, the increase of physical enrichment in the new environment decreased the expression of stereotypies. Females showed decrease in food intake between phases while males had an increase. The variable interaction with the environment showed a decrease in both sexes, with females being more manipulative than males in all phases. Vocalization also decreased. The tolerant pattern of social organization of the species may explain the increase of affiliative (rather than agonistic) social behaviors during the formation of new groups. The data indicate that females suffer more with the relocation effect. These results reinforce the importance of ethological studies as a tool for monitoring animal welfare and the importance of physical and social enrichment for animals.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/4526
Other Identifiers: 2012913078
Appears in Collections:Ciências Biológicas (bacharelado)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EfeitoRealocaçao_Koether_2017.pdfMonografia 1.17 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.