Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/4057
Title: Extração de corante natural a partir do resíduo da uva
Authors: Oliveira Filho, Jucélio Fernandes de
Keywords: Extração;Corantes Naturais;Uva;Antocianinas
Issue Date: 14-Jun-2017
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: OLIVEIRA FILHO, Jucélio Fernandes de Oliveira. Extração de Corante Natural a Partir do Resíduo da Uva. 2017. 44f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Química), Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: Devido aos grandes problemas causados pelos corantes sintéticos, tanto ao meio ambiente quanto a saúde dos seres humanos, vêm aumentando no mundo a restrição a esse tipo corante e, consequentemente, a demanda por corantes naturais. Aliado a este fato tem-se aumentado a produção de uvas no Brasil e no Rio Grande do Norte, gerando um crescimento cada vez maior de resíduos desse tipo de fruta que podem ser utilizados como uma fonte de corantes naturais, um uso com valor agregado mais nobre do que a utilização desses resíduos para a produção de adubo. Neste trabalho se investiga dois tipos de extração alcalina e também uma ácida, da uva Isabel (Vitis vinífera). Para a extração alcalina usou-se hidróxido de sódio (NaOH) e bicarbonato de sódio (NaHCO3). Sendo utilizado nas extrações 0,05 M e 0,1 M de NaOH para 60 e 80 ºC, se mantendo constante a massa do bagaço da uva (10,5g) e o tempo de extração (70 min). Já para o NaHCO3, foram utilizados 0,1 M e 0,2 M na mesma faixa de temperatura, massa e duração do processo que o NaOH. Para determinar o método mais efetivo usou-se da leitura da absorbância (em espectrofotômetro UV/Visível) com comprimentos de onda de 408 nm e 560 nm referente aos flavonoides e as antocianinas, respectivamente. As extrações feitas para o NaOH obtiveram resultados condizentes com o encontrado na literatura, além de se mostrar um solvente com melhores rendimentos para essa extração do que o NaHCO3. Para isso foram-se avaliados os resultados de absorbância e pH. Também se realizou extrações com HCl a 0,05 M para a mesma duração e massa de bagaço de uva utilizada nas extrações alcalinas, se variando apenas a temperatura do processo. Essas extrações obtiveram cores esteticamente mais satisfatórias já que o seu pH baixo não degradou as moléculas de antocianina.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/4057
Other Identifiers: 2012940899
Appears in Collections:Engenharia Química

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Extracaodecorante_Monografia.pdfMonografia1.73 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.