Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/4049
Title: Nomofobia: uma síndrome no século XXI
Authors: Borges, Luana de Andrade Pinheiro
Keywords: Nomofobia;Sintomas;Síndrome;Saúde
Issue Date: 2015
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: BORGES, Luana de Andrade Pinheiro. Nomofobia: uma síndrome no século XXI. 2015. 72f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração), Departamento de Ciências Administrativas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Portuguese Abstract: Com base na fundamentação teórica, por ser um assunto recente e recorrente na mídia nos dias atuais, e na percepção da pesquisadora em ter notado o uso abusivo dos celulares, observou-se a necessidade de explorar a temática nomofobia. Dando ênfase aos sintomas da síndrome, para alertar os leitores dos prejuízos a saúde física e mental. Para melhor recorte do tema, o estudo é exploratório-descritivo, tendo como objetivo geral analisar a síndrome entre os estudantes de graduação do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. E como objetivos específicos: identificar o perfil socioeconômico dos entrevistados; determinar o curso mais comprometido pela síndrome; assim como, quais sintomas da síndrome são mais presentes no CCSA-UFRN. Como tratamento estatístico, utilizou a análise multivariada (teste qui-quadrado, nível de significância, p - valor e software R). Os dados obtidos foram digitados e armazenados no Excel versão 2010. Além disso, foi criado uma escala para os cinco sintomas da síndrome Nomofobia: segurança e excitação, relevância, tolerância, abstinência e conflitos na vida real; a fim de identificar se as variações presentes no trabalho (sexo, idade e curso) eram detentores da doença psicológica. Após a análise dos dados, verificou-se que os seguintes aspectos se sobressaem: maioria da amostra do sexo masculino, com idades que variam entre os anos 1978 a 1994 e renda média salarial de até três salários mínimos. Dentre os sintomas físicos associados às variáveis, observa-se que não existe relação entre o sexo e o sintoma relevância. Por sua vez, relacionando ano em que nasceu com os sintomas, nota-se a presença de todas as dimensões citadas. Em relação ao curso, o sintoma relevância também não está presente entre os entrevistados. Por fim, é importante destacar que o curso com maiores índices de sintomas está presente na graduação em Turismo; por sua vez, a graduação em tecnólogo em gestão de cooperativas apresenta os índices de sintomas mais baixo.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/4049
Other Identifiers: 2010012895
Appears in Collections:Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Nomofobia_Borges_2015Administração1.05 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.