Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/3783
Title: Efeitos da administração em curto prazo de agomelatina sobre o comportamento relacionado à depressão em ratas submetidas ao teste do nado forçado
Authors: Medeiros, Alana Ceres de
Keywords: Agomelatina;Agomelatine;Depressão;Depression;Nado forçado;Forced swimming
Issue Date: 14-Dec-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: MEDEIROS, Alana Ceres de. Efeitos da administração em curto prazo de agomelatina sobre o comportamento relacionado à depressão em ratas submetidas ao teste do nado forçado 2016. 39 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de Biomedicina, Farmacologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, 2016.
Portuguese Abstract: Estudos clínicos e pré-clínicos apontam a eficácia da agomelatina como fármaco antidepressivo, porém ainda são poucos os trabalhos realizados com fêmeas. A depressão tem sido avaliada como sendo aproximadamente duas vezes mais prevalente em mulheres que em homens, e as fases do ciclo reprodutivo e as flutuações hormonais que nele ocorrem tem sido apontadas como possíveis causas de determinados transtornos psiquiátricos e fatores que interferem no efeito de algumas drogas. O objetivo do presente estudo foi avaliar se a administração de agomelatina altera respostas comportamentais relacionadas à depressão em ratas submetidas ao teste do nado forçado (TNF), bem como investigar se as mudanças hormonais que ocorrem durante o estro interferem no efeito desta droga. Utilizou-se ratas Wistar com aproximadamente 90 dias de idade, que foram submetidas a administração (v.o.) de salina – controle – ou de agomelatina 25, 50 e 75 mg/Kg, sendo o tratamento realizado em curto prazo, durante 2-4 dias anteriores aos testes comportamentais. O esfregaço vaginal das fêmeas foi realizado para se determinar a fase do ciclo estral. Para avaliação da atividade locomotora das ratas foi utilizado o teste do campo aberto (CA). Os resultados demonstram que não houve alteração significativa da locomoção das ratas. As doses de 50 e 75 mg/kg reduziram a imobilidade no teste do nado forçado, o que não foi evidenciado na dose de 25 mg/Kg. Quanto a análise do CA e TNF utilizando apenas ratas no estro, foi demonstrando que a dose de 75 mg/Kg reduziu a imobilidade, sugerindo que as variações hormonais que ocorrem nesta fase não interferiram no efeito do fármaco. Este estudo pré-clínico acrescenta dados à literatura quanto ao perfil antidepressivo da agomelatina em fêmeas.
Abstract: Clinical and preclinical studies suggest agomelatine as an antidepressant drug, however few studies have been carried out in females. Depression prevalence has been assessed as being around twice higher in women than in men, and the different stages of reproduction cycle and hormonal fluctuations have been mentioned as a primary cause of certain psychiatric disorders and they might interfere on the efficacy of some antidepressants. The aim of the present study was to evaluate if agomelatine is able to alter depression-related behaviors in female rats submitted to the forced swimming test (FST). Yet it was investigated if the hormonal changes that occur during estrus stage of estrous cycle would alter the efficacy of the agomelatine. Approximately 90 days old female Wistar rats were submitted to the oral administration of saline solution – control group – or agomelatine (25, 50 and 75 mg/Kg) in a short-term treatment protocol (2-4 days previously behavioral tests). Vaginal smears were collected for determination of estrous cycle phase. The Open field test (OF) was employed in order to evaluate the locomotory activity of female rats. The results demonstrated that there was no significant alteration on the locomotion of females. Both 50 and 75 mg/Kg doses of agomelatine were able to reduce the immobility on the forced swimming test, which was not observed on the 25 mg/Kg dose. The OF and FST analysis of females rats cycling on estrus stage suggested that hormonal variations in this phase does not interfere on the efficacy of agomelatine, since dose of 75 mg/Kg reduced the immobility of females. This preclinical study contributes to the proposal of an antidepressant profile of agomelatine in females.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/3783
Other Identifiers: 2012911494
Appears in Collections:Biomedicina

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
EfeitosAdministracaoCurto_Medeiros_2016.pdfArtigo610,76 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.