Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/3746
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorRocha, Raimundo Nonato Araújo da-
dc.contributor.authorSouza Filho, Aldo Américo-
dc.date.accessioned2017-04-12T18:04:35Z-
dc.date.available2017-04-12T18:04:35Z-
dc.date.issued2016-
dc.identifier2011063890pr_BR
dc.identifier.citationSOUZA FILHO, Aldo Américo de. De bandido a santo: a trajetória de João Rodrigues Baracho. 2016. 60f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) - Departamento de História, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.pr_BR
dc.identifier.urihttp://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/3746-
dc.languagept_BRpr_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortepr_BR
dc.rightsopenAccesspr_BR
dc.subjectSantificação de criminosopr_BR
dc.subjectBiografiapr_BR
dc.subjectJoão Rodrigues Barachopr_BR
dc.subjectHistória do Crimepr_BR
dc.titleDe bandido a santo: a trajetória de João Rodrigues Barachopr_BR
dc.typebachelorThesispr_BR
dc.description.resumoO estudo em pauta analisa a trajetória de João Rodrigues Baracho, morto pela polícia em 1962, um pequeno comerciante de origem desconhecida que se tornou um dos bandidos de maior expressão e que aterrorizava a cidade de Natal no início da década de 1960, e hoje é cultuado como santo popular. Em Natal, no dia de finados, um grande número de adeptos vão cumprir seus rituais de agradecimento ou fazer pedidos por causas aparentemente insolúveis junto ao túmulo de Baracho. O objetivo deste trabalho é analisar a trajetória de Baracho e, ao mesmo tempo, compreender como a imprensa, a partir de reportagens sensacionalistas, e a polícia – a partir da conduta dada aos processos criminais – contribuíram para a formação da imagem de Baracho como santo popular. O trabalho almeja detectar as razões que levam centenas de pessoas ainda hoje a visitar o seu túmulo, que é um dos mais visitados no cemitério do Bom Pastor II em dias que antecedem o dia de finados. A pesquisa foi realizada a partir de depoimentos colhidos junto a devotos do “santo Baracho”; da consulta aos jornais Tribuna do Norte e Diário de Natal; de artigos que remetem ao cotidiano de Natal na época e teses que tratam da temática dos santos populares. O resultado do trabalho é que embora comprovadamente Baracho tenha cometido atos infracionários como roubos e assassinatos, a imagem de super-bandido se deveu a construção de relatos feitos pela imprensa e pela polícia e se desenvolveu no seio popular através da oralidade.pr_BR
dc.publisher.countryBrasilpr_BR
dc.publisher.departmentHistóriapr_BR
dc.publisher.initialsUFRNpr_BR
Appears in Collections:História (Bacharelado)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Debandidoasanto_SouZaFilho_20163.84 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.