Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/3346
Title: Teste de aderência para premissas demográficas: aplicação para tábuas de entrada em invalidez
Authors: Oliveira, Rennan Melo de
Keywords: Entrada em Invalidez;Entry into Disability;Premissas Demográficas;Demographic assumptions;Teste de Aderência;Adhesion test;Desvio Relativo Quadrático Médio;Relative Mean Square Deviation
Issue Date: 5-Dec-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: OLIVEIRA, Rennan Melo de. Teste de aderência para premissas demográficas: aplicação para tábuas de entrada em invalidez. 2016. 44f. Monografia (Graduação) - Curso de Ciências Atuariais, Departamento de Demografia e Ciências Atuariais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Portuguese Abstract: Dentre as premissas demográficas estimadas na avaliação atuarial dos RPPS, a entrada em invalidez é uma das mais difíceis de definir, devido à raridade de ocorrência deste evento, pois, por apresentar poucas ocorrências, uma pequena alteração no número de eventos acarreta em grande variação nas quantidades relativas e, consequentemente, em suas probabilidades. Este trabalho tem como objetivo verificar se o teste Desvio Relativo Quadrático Médio (DQM), apontado por Pinheiro (2007) como sendo adequado para estimar premissas demográficas, é suficiente para estimar a premissa de entrada em invalidez. Portanto, foram utilizadas populações hipotéticas de diferentes tamanhos, criadas a partir de simulações aleatórias de dados, sobre as quais foram simulados os números de ocorrências de invalidez, com base em tábuas de entrada em invalidez. Em seguida foi, aplicado ao teste DQM e verificado o quanto tal teste acerta em indicar corretamente a tábua utilizada para gerar as mortes aleatórias. Devido à grande variabilidade observada nos resultados, não foi possível identificar uma tendência de comportamento do teste nos diferentes tamanhos de população. Apesar disso, verificou-se que ele se sai melhor em estimar essa premissa em populações com maiores probabilidades de entrada em invalidez.
Abstract: Among the demographic assumptions estimated in the actuarial evaluation of RPPS, invalidity is one of the most difficult to define, due to the rarity of this event, because, due to the few occurrences, a small change in the number of events entails a large variation in the number of events. Relative quantities and, consequently, their probabilities. The purpose of this study is to verify if the Mean Squared Relative Deviation test, as pointed out by Pinheiro (2007) as adequate to estimate demographic assumptions, is sufficient to estimate the premise of disability entry. Therefore, we used hypothetical populations of different sizes, created from random data simulations, on which the numbers of invalidity occurrences were simulated, based on invalidity entry tables. It was then applied to the DQM test and verified how well such a test is correct to correctly indicate the table used to generate the random deaths. Due to the great variability observed in the results, it was not possible to identify a trend of test behavior in the different population sizes. Despite this, it has been found that it does better to estimate this premise in populations that are more likely to be disabled.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/3346
Other Identifiers: 2013012890
Appears in Collections:Ciências Atuariais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
PremissasDemograficas_Oliveira_2016.pdfMonografia1,46 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.