Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/2993
Title: Estudo da severidade da mucosite oral em crianças com leucemia linfoblástica aguda em hospital de referência em Natal-RN
Authors: Santos, Gabriela Dantas Marques dos
Keywords: Mucosite oral;Leucemia;Quimioterapia
Issue Date: 8-Jun-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: SANTOS, Gabriela Dantas Marques dos. Estudo da severidade da mucosite oral em crianças com leucemia linfoblástica aguda em hospital de referência em Natal-RN. 2015. Monografia (Graduação) - Departamento de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015
Portuguese Abstract: A leucemia linfoblástica aguda (LLA) é a neoplasia maligna mais comum em crianças. A doença é caracterizada pelo acúmulo de células linfoides imaturas na medula óssea. Seu pico de incidência ocorre entre 2 e 5 anos de idade, correspondente a 25% de todos os cânceres em crianças nessa faixa etária. O tratamento de escolha é quimioterápico dividido em 3 fases: indução, consolidação ou intensificação e manutenção. Dentre as drogas utilizadas, o metotrexate (MTX), ministrado em altas doses na intensificação, destaca-se por possuir um alto potencial indutor no revestimento mucoso do organismo, principalmente no trato digestório. Assim, os efeitos diretos e indiretos afetam o epitélio bucal e estão associados com quadros de mucosite ou estomatite. A mucosite oral é a complicação mais presente em crianças com LLA, em consequência da citotoxicidade do tratamento pela severa morbidade e, até mesmo, mortalidade, nos pacientes sob tratamento antineoplásico. Esta pesquisa foi realizada por meio de análise retrospectiva dos dados obtidos nos prontuários de crianças portadores de LLA, tratadas com terapia antineoplásica no Hospital Infantil Varela Santiago (HIVS). O objetivo do trabalho é estudar e descrever as ocorrências e a severidade em uma série de casos de mucosite oral, entre os anos de 2001 e 2014. Como resultado, verificou-se que de um total de 129 pacientes, a mucosite oral esteve presente em 18,60% dos prontuários analisados. Deste total, considerando a etapa quimioterápica, 37,5% estavam na indução e quanto a severidade da doença, 37,5% apresentaram mucosite grau I. Concluímos assim que crianças e adolescentes sob tratamento quimioterápico apresentam um alto risco de desenvolverem infecções orais que podem interferir no andamento do tratamento quimioterápico. Esta pesquisa se ressente de informações importantes não contidas em alguns prontuários as quais, se não omitidas, poderiam certamente fortalecer os resultados desta investigação, inclusive possibilitando um adequado tratamento estatístico o qual, nesta situação, encontra-se prejudicado.
Abstract: Acute lymphoblastic leukemia (ALL) is the most common form of cancer in children. The disease is characterized by accumulation of immature lymphoid cells in the bone marrow. Its incidence peak occurs between 2 and 5 years old, corresponding to 25% of all cancers in children in this age group. The suggested treatment is chemotherapy and it‟s divided into 3 phases: induction, consolidation and intensification/maintenance. Compared to other drugs, methotrexate (MTX) stands out because it has a high inductor potential in mucosal lining of the body, particularly in the digestive tract and is administered in high doses in intensification phase. Thus, the direct and indirect effects alter the oral epithelium and are associated with cases of mucositis or stomatitis. Oral mucositis is the most widespread complication in children with ALL as a result of the cytotoxicity of the treatment and causes severe morbidity and even mortality in patients undergoing anticancer treatment. This research was conducted through retrospective analysis of data from the medical records of children patients with ALL treated with anticancer therapy at the Hospital Infantil Varela Santiago (HIVS). The objective of this research is to study and describe the occurrence and severity in a series of cases of oral mucositis, between the years 2001 and 2014. As a result, in a total of 129 patients, oral mucositis was in 18.60% of the analyzed medical records. Of this total, considering the chemotherapy stage, 37.5% were in the induction phase and relative to severity of the disease, 37.5% had mucositis grade I. We conclude that children and adolescents undergoing chemotherapy are at high risk of developing oral infections that can interfere with the progress of chemotherapy. This research would demand important informations not contained in some records which, if not omitted, could certainly strengthen the results of this quest, including providing adequate statistical data which, in this situation, is hampered.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/2993
Other Identifiers: 2012956100
Appears in Collections:Odontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
[2016.1] ESTUDO DA SEVERIDADE DA MUCOSITE ORAL EM CRIANÇAS COM LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA AGUDA EM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM NATAL_RN.pdfTrabalho de conclusão de curso - odontologia 2016.1269,2 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.