Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/2598
Title: Caminhos, trajetórias e tempos de formação/autoformação
Authors: Rodrigues, Everaldo Santana
Keywords: Experiências Formativas;Memória;Formação Pedagógica
Issue Date: 21-Jun-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: RODRIGUES, Everaldo Santana. Caminhos, trajetórias e tempos de formação/autoformação. 2016. 44 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia), Departamento de Práticas Educacionais e Currículo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Portuguese Abstract: Neste Memorial utilizo-me de narrativas e discursos que tratam de momentos importantes na minha trajetória e que hoje revelam os diversos caminhos trilhados em minha formação. Em linhas gerais, os relatos de histórias de vida que tem como lastro os processos de formação, conhecimento e aprendizagem, narram algumas passagens e buscas que, a princípio não são claras, mas, que vão se revelando progressivamente, na medida em que são explicitadas, analisadas e refletidas pelo próprio “ator”. Para isso é necessário a reconstituição de acontecimentos interiores e exteriores; contextos; situações e a mediação de pessoas que marcaram a minha existência e me transformaram em um ser que pensa, reflete, aprende, conhece e se forma. Tendo como objetivo reviver memórias que me ajudarão na análise e escolha do profissional em que pretendo tornar como pedagogo. Sobretudo, pelas lembranças recorrentes de tempos felizes e sofridos que contribuíram para a construção dos conhecimentos e de sua formação. Essas recordações, ainda, trazem inúmeras dúvidas existenciais. A dialética entre o saber e o não saber, sobre a escolha de ser professor, das alegrias e das tristezas que ao invés de me enfraquecerem me fortaleceram. Para escrever este memorial busquei o diálogo com autores e atores como Amarilha (1997), que me conscientiza da importância dos contos de fadas para a criança; Ferrreiro (1995), que afirma que as crianças não são meros aprendizes; Freire (1996), sobre o ensinar com criticidade; Galvão (1998), da importância da afetividade; Snayders (1988) Ressalto que refletir acerca dos processos de interdependência significa ter como referencia que o individuo não é um eu isolado e, assim, se de um lado, há uma interdependência funcional entre a minha natureza como individuo, o auto-controle e o social, existe por outro lado, o entrelaçamento de planos e ações e grupos que resultam em processos não planejados (ELIAS, 1998). Em suma, dessa experiência surpreendente em minha vida chego à conclusão da importância do memorial para formação do profissional de pedagogia, pelo modo como nos forma, orienta olhar e analisar de forma crítica o que é ou não válido como estratégia de ensino, tomando como parâmetro os nossos próprios aprendizados e vivências.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/2598
Other Identifiers: 2012957911
Appears in Collections:Pedagogia (Presencial)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Caminhos, Trajetórias e Tempos de Formação-Autoformação_Memorial_2016.pdf526.04 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.