Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/2532
Title: Comunidade quilombola “Negros do Riacho”: cultura e tradição
Authors: Silva, Maria José
Keywords: Comunidade;Quilombo;Processo de transformações sociais e culturais
Issue Date: 18-May-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Portuguese Abstract: O presente trabalho objetiva- se esclarecer alguns aspectos de formação do território quilombola “negros do riacho” e as transformações sociais pelas quais atravessaram no decorrer de sua formação cultural. Atualmente reconhecida como remanescentes de quilombolas os mesmos são descendentes de Trajano Lopes da Silva (ex-escravo) que se apossou das terras do riacho passando a viver ali, com a sua família. Ultimamente são 3,6 hectares onde vivem cerca de 280 pessoas, cuja atividade econômica é bastante diversificada na agricultura de subsistência e na produção da “louça” e no trabalho nas fazendas vizinhas. O grupo apresenta uma divisão interna formada pelos caboclos e pelos negros, embora para o mundo exterior, ou seja, fora dos limites das terras do Riacho, não é reconhecida essa separação. Assim todos são distinguidos como: “Negros do Riacho”. Também teremos noção de algumas politicas do poder público que têm sido desenvolvidas juntas à comunidade e como encontram-se essas famílias.
Abstract: The present work aims at - if it explains some aspects of formation of the territory quilombola “black of the stream” and the social transformations for the which crossed in elapsing of his/her cultural formation. Now recognized as quilombolas remainders the same ones are descending of Trajano Lopes of Silva (former-slave) that took possession of the lands of the stream starting to live there, with his/her family. Lately they are 3,6 hectares where live about 280 people, whose economical activity is quite diversified in the subsistence agriculture and in the production of the “dish” and in the work in the neighboring farms. The group presents a division interns formed by the mestizos and for the blacks, although for the external world, in other words, out of the limits of the lands of the Stream, that separation is not recognized. Like this all are distinguished as: “Black of the Stream.” We will also have notion of some politicize of the public power that has been developed in the community and as they find - if those families.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/2532
Other Identifiers: 2014223306
Appears in Collections:CERES - Especialização em História e Cultura Africana e Afro-brasileira

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VERSÃO FINAL DO ARTIGO - MARIA JOSÉ DA SILVA.pdfArtigo principal815,69 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons