Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/2465
Title: Padrão de branqueamento de Siderastrea stellata (Verril, 1868) em dois complexos recifais areníticos do Atlântico Sul
Authors: Correia, Louize Freyre da Costa
Keywords: Siderastrea stellata;Siderastrea stellata;Ecossistemas recifais;Reef ecosystems,;Branqueamento de corais;Coral bleaching
Issue Date: 9-Jun-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: CORREIA, Louize Freyre da Costa. Padrão de branqueamento de Siderastrea stellata (Verril, 1868) em dois complexos recifais areníticos do Atlântico Sul. 2016. 36 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ecologia) - Curso de Ecologia, Departamento de Ecologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, 2016.
Portuguese Abstract: Os ecossistemas recifais encontram-se entre os mais diversos do planeta, abrigam cerca de 25% da biodiversidade marinha e atuam no balanço químico global do carbono. Os corais, importantes componentes dos recifes, são considerados bioindicadores das variações climáticas. Tais invertebrados podem perder pigmentação sendo esta uma das respostas às mudanças do meio, resultando no conhecido fenômeno do branqueamento. Nos recifes de Pirangi e Maracajaú foi realizado o monitoramento do branqueamento do coral pétreo mais abundante, Siderastrea stellata (Verril, 1868), associado a dados abióticos como temperatura, transparência e salinidade da água. As coletas de dados em ambos os recifes foram realizadas a cada 2 meses, durante o ano de 2015. Foram selecionadas 18 colônias de corais pétreos da espécie Siderastrea stellata, distribuídas em três classes de tamanhos (medida do diâmetro), totalizando seis colônias por classe de tamanho, em Maracajaú e Pirangi: Colônias pequenas (<5 cm), Médias (5-10 cm) e Grandes (> 10 cm). O branqueamento mensurado entre os dois recifes foi distinto e Maracajaú teve os maiores valores. Também foi analisado o branqueamento por classes de tamanho e as colônias menores apresentaram maiores níveis de branqueamento, também mais acentuado em Maracajaú. Em ambas as áreas houve diminuição do branqueamento ao longo do ano e as médias de branqueamento variaram de forma semelhante ao longo do ano com Pirangi sempre apresentando menores taxas. O branqueamento foi associado a variações na transparência e salinidade da água, independente do recife analisado. As maiores taxas de braqueamento encontrada em colônias menores pode indicar maior fragilidade das mesmas justificada pelo menor diâmetro, e consequentemente menor quantidade de zooxantelas, conferindo menos resistência às colônias. De forma geral, no mês de setembro houve queda dos níveis de branqueamento e nesta época há o aumento de ventos que causam maior suspensão de sedimento, elevando a turbidez das águas. Esta situação difere daquela encontrada em literatura, em que os corais branqueiam mais frente à sedimentação. A menor transparência e salinidade da água encontradas em Pirangi, relacionadas ao menor branqueamento dos corais, 8 quando comparados a Maracajaú, sugere que as colônias talvez estejam mais adaptadas a tais condições adversas constantes e portanto tenha menos branqueamento. Outro aspecto a ser consideradao é que em Maracajaú, o branqueamento mais acentuado pode ser o resultado da maior penetração dos raios ultravioletas devido à maior transparência da água, o que também causa branqueamento. Considera-se que os corais brasileiros sejam mais resistentes aos distúrbios e estresses ambientais e portanto, as condições ideais estabelecidas na literatura mundial para o bom desenvolvimento dos corais, não se aplica perfeitamente aqueles da costa do Brasil.
Abstract: The reef ecosystems are among the most diverse on the planet, shelter about 25% of marine biodiversity and act in global chemical balance of carbon. Corals, important components of the reef are considered bio-indicators of climate variations. Such invertebrates may lose pigmentation which is one of the responses to a changing environment, resulting in the known bleaching phenomenon. In Pirangi and Maracajaú reefs was conducted monitoring of coral bleaching stony more abundant, Siderastrea stellata (Verril, 1868), associated with abiotic data such as temperature, transparency and salinity of the water. The data collection in both reefs were performed every 2 months during the year 2015. Were selected 18 colonies of stony corals species Siderastrea stellata, divided into three size classes (measured diameter), totaling six colonies per class size in Maracajaú and Pirangi: small colonies (<5 cm), medium (5-10 cm) and large (> 10 cm). Bleaching measured between the two reefs was distinct and Maracajaú had the highest values. It was also analyzed the bleaching of size classes and the smaller colonies had higher levels of bleaching, also more pronounced in Maracajaú. In both areas there was a decrease bleaching throughout the year and the mean bleach similarly varied throughout the year with Pirangi always exhibited lower rates. The 9 bleaching was associated with changes in transparency and salinity of the water, regardless of the reef analyzed. The highest rates of bleaching found in smaller colonies may indicate greater fragility of those justified by the smaller diameter, and consequently fewer zooxanthellae, providing less resistance to the colonies. Overall, in September there was a decrease of bleaching levels and at this time there is an increase in winds that cause greater sediment suspension, increasing the turbidity of the water. This situation differs from that found in literature, in which corals whiten more forward to sedimentation. The less transparency and salinity of the water found in Pirangi related to minor coral bleaching, compared to Maracajaú suggests that the colonies may be more suited to such constant adverse conditions and therefore has less bleaching. Another aspect to be considered on Maracajaú is that the stronger bleaching may be the result of increased penetration of ultraviolet rays due to the transparency of water, which also causes whitening. It is considered that the Brazilian corals are more resistant to environmental disturbances and stress and therefore the ideal conditions established in the literature for the proper development of corals, does not apply perfectly those of the coast of Brazil.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/2465
Other Identifiers: 2011031027
Appears in Collections:Ecologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BranqueamentoSiderastrea_Correia_2016.pdfMonografia1.07 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.