Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/2460
Title: Intensidade do exercício e prazer: efeito de dose resposta no treinamento de força em iniciantes
Authors: Teixeira, Rafaela Queiroz de Carvalho
Keywords: Prazer;Intensidade;Musculação
Issue Date: 13-Jun-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: TEIXEIRA, Rafaela Queiroz de Carvalho.Intensidade do exercício e prazer: efeito de dose resposta no treinamento de força em iniciantes. 2016. 32f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) – Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Portuguese Abstract: INTRODUÇÃO: Apesar da atividade física regular se mostrar eficaz no combate e na prevenção de doenças crônicas do cotidiano, altos índices de sedentarismo da população geral se apresenta como um problema de saúde pública. Diante deste problema o componente de prazer no exercício se torna uma variável que, se controlada, pode favorecer a aderência no programa de treinamento. No treinamento de força saber qual a intensidade que reportaria mais prazer ao sujeito iniciante nessa modalidade pode ajudar a minimizar taxas de abandono precoce ao programa de treino. OBJETIVO: Verificar a relação entre a intensidade do exercício e a percepção de prazer no treinamento de força em indivíduos iniciantes. MÉTODOS: Estudo composto por 4 sujeitos iniciantes no treinamento de força (24,3±3,7 anos). O estudo foi composto de 11 sessões, nas 3 primeiras foram feitos 3 testes de 10 RM nos exercícios de cadeira extensora e de supino reto a fim de encontrar as intensidades correspondentes a 30%, 40%, 50%, 60%, 70%, 80%, 90% e 100% de 10RM. Nas outras 8 sessões, foram realizadas 3 séries de 10 repetições para cada um dos exercícios, sendo que a cada série o sujeito reportaria a percepção subjetiva de esforço (PSE) através da escala OMINI-RES e o prazer percebido com a utilização da escala de Afeto de Hardy & Rejeski (1989). Os resultados foram apresentados em média e desvio padrão e uma correlação de Pearson foi empregada para analisar a relação entre o prazer percebido e intensidade do exercício (p<0,05). RESULTADOS: Foi observado uma correlação moderada entre a percepção de prazer e intensidade do exercício (r = -0,61 e -0,54 para a extensora e supino, respectivamente). Os valores médios de percepção de prazer se comportaram de forma curvilínea ao longo das intensidade. De uma maneira geral, a resposta desprazerosa foi observada em intensidades acima de 80%10RM. CONCLUSÃO: A intensidade do treinamento de força influencia as respostas afetivas em iniciantes apresentando uma correlação negativa e moderada, sendo a faixa de intensidade mais prazerosa entre 60% e 80% de 10RM, e intensidades acima de 80%10RM percebidas como desprazarosas.
Abstract: INTRODUCTION: Although regular physical exercises prove effective in fighting and preventing chronic diseases everyday, high inactivity rates of the general population is presented as a public health problem. Faced with this problem the pleasure component in the exercise arises in order to promote adhesion in the training program. In strength training is important to know which intensity would report more pleasure to the beginner in this modality, because it could help to minimize early drop-out rates to the training program. OBJECTIVE: Analyze the relationship between intensity of the exercise and the perception of pleasure in strength training in beginner subjects. METHODS: Study consists of 4 beginners in strength training (24.3 ± 3.7 years). The study consisted of 11 sessions, at the first 3 were made 3 tests of 10 RM in the exercises of extensor chair and bench press in order to find the intensities corresponding to 30%, 40%, 50%, 60%, 70%, 80%, 90% and 100% of 10 RM. In the other 8 sessions were performed 3 sets of 10 repetitions for each exercise, and each series the subject would report of subjective perceived exertion (SPE) through the OMINI-RES scale and the pleasure realized with the use of scale affection Hardy & Rejeski. The results were presented in average and standard deviation and a Pearson correlation was used to analyze the relationship between the perceived pleasure and intensity of exercise (p <0.05). OBJECTIVE: Analyze the relationship between intensity of the exercise and the perception of pleasure in strength training in beginner subjects. RESULTS: It was observed a moderate correlation between the perception of pleasure and intensity of exercise (r = -0,61 e -0,54 for extension chair and bench press, respectively. The medium values of perception of pleasure behaved in a curvilinear way along of intensities. In general, the unpleasant response was observed in over 80% 10RM. CONCLUSION: The intensity of strength training influences the emotional responses in beginners showing a negative and moderate correlation, being the range of intensity more pleasant between 60% and 80% 10RM, and intensities over 80% 10RM realized as unpleasant.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/2460
Other Identifiers: 2013062819
Appears in Collections:Educação Física (bacharelado)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Intensidadeexercícioprazer_2016_Trabalho de Conclusão de CursoTexto completo726,19 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.