Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/2408
Title: Avaliação dos efeitos do estresse salino em feijão preto (Phaseolus vulgaris L.)
Authors: Nogueira, Wannderson Eduardo
Keywords: Agricultura;Agriculture;Cultivo;Cultivation;Estresse;Stress
Issue Date: 8-Jun-2016
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: NOGUEIRA, Wannderson Eduardo de. Avaliação dos efeitos do estresse salino em feijão preto (Phaseolus vulgaris L.). 2016. 38 f. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas) - Departamento de Botânica e Zoologia, Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, 2016.
Portuguese Abstract: A salinidade do solo é um problema que precisa ser enfrentado na agricultura, pois com o aumento da demanda por alimentos, as áreas cultiváveis tornam-se mais suscetíveis a sofrer desse problema, seja pela salinização causada pela irrigação, seja pela expansão agrária para áreas áridas e semiáridas. O Brasil é um dos maiores produtores de feijão do mundo, dessa forma, é necessário investigar os efeitos da salinidade nessa espécie, para minimizar os prejuízos para agricultores que a cultivam. Várias pesquisas foram realizadas com feijão comum (Phaseolus vulgaris) e feijão caupi (Vigna unguiculata), contudo são escassas as pesquisas para entender como o feijão preto reage ao estresse salino. O feijão preto é rico em nutrientes, e um estudo fisiológico nesse grupo é essencial para mitigar a sua aplicação na agricultura familiar, principalmente em regiões de semiárido. O presente trabalho tem como objetivo estudar os efeitos da salinidade em três cultivares de feijão preto (Diamante Negro, Ouro Negro e Minuano) submetidos a cinco tratamentos (15 mM, 30 mM, 45 mM, 60 mM e 120 mM de NaCl) e 0 mM de NaCl como controle, através da análise dos parâmetros: altura, massa seca foliar, germinação, massa seca caulinar, massa seca radicular, diâmetro radicular e número de folhas. Os resultados mostraram que a salinidade afetou o diâmetro radicular, não afetou a altura das plantas e nem a massa seca caulinar, causou uma redução da massa seca foliar, mas não afetou a germinação, reduziu o número de folhas. Conclui-se com esta pesquisa que essas cultivares são tolerantes à salinidade, contudo, dentre elas a mais tolerante é a cultivar Diamante Negro, a qual apresentou os melhores índices em quase todos os parâmetros analisados.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/2408
Other Identifiers: 2012913390
Appears in Collections:Ciências Biológicas (bacharelado)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AvaliaçaoFeijao_Nogueira_2016.pdfMonografia848.49 kBMicrosoft Word XMLView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.