Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/1701
Title: Sífilis em Gestante e Sífilis Congênita: Um estudo Retrospectivo.
Authors: Beatriz, Távina Viana
Keywords: Gestantes, Sífilis Congênita, Sífilis Gestacional, Epidemiologia
Issue Date: 3-Dec-2015
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: CABRAL, Beatriz Távina Viana. Sífilis em Gestante e Sífilis Congênita: um estudo Retrospectivo. 2015. 25f. Artigo Científico (Graduação em Enfermagem) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Santa Cruz, 2015.
Portuguese Abstract: Objetivos: Caracterizou por conhecer as razões que favorecem as mulheres grávidas a não terem o diagnóstico de sífilis no pré-natal. Metodologia: estudo retrospectivo do perfil epidemiológico da sífilis gestacional e congênita, no município de Santa Cruz/RN, realizado a partir dos registros de notificação e prontuários das gestantes e seus recém-nascidos que buscaram atendimento em um Hospital Universitário (HU), referência em saúde Materno-infantil na região do Trairi, no período de janeiro de 2013 a janeiro de 2015, com método quantitativo. Resultados: Durante o período do estudo, 31,7% dos participantes da amostra possuem o ensino fundamental incompleto. No entanto, apesar da baixa escolaridade, 87,8% da amostra afirmou ter realizado tratamento, mediante prescrição médica no período em que estavam internadas no serviço hospitalar (100%). No total da amostra, apenas 19,5% (n=8) realizou o tratamento durante o pré-natal em sua primeira gestação (46,3%). Em contrapartida, 68,3% (n=28) receberam durante a fase de puerpério. De todos os recém-nascidos, filhos de mães que apresentaram o VDRL positivo, 80,5% deles não apresentaram nenhuma sintomatologia. Em 68,3% dos casos estudados, não havia informações sobre o tratamento dos parceiros, 7,3 % concluíram o tratamento e 24,4% não aceitaram o tratamento. Conclusão: Houve grande taxa de subnotificação de sífilis congênita no HU, a mesma não foi feita de forma correta. A vigilância epidemiológica precisa ser mais valorizada, e feita de forma mais efetiva, e frente ao paciente, para que nenhum dado possa ser perdido. Verificou-se falhas no acompanhamento pré-natal e no manejo dos recém-nascidos. Por outro lado, vemos que todas as crianças eram assintomáticas, e que receberam o tratamento com a penicilina benzatina.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/1701
Other Identifiers: 2011003318
metadata.dc.description.embargo: 2018-12-03
Appears in Collections:Enfermagem

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Sífilis em Gestante e Sífilis Congênita Um estudo Retrospectivo.pdf325,72 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.