Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/1656
Title: O escore de risco Framingham é uma ferramenta útil e eficaz na identificação dos indivíduos com risco de desenvolver um AVE? Uma revisão de literatura.
Authors: Oliveira, Rita de Cássia de Souza
Keywords: Acidente Vascular Encefálico;Atenção Primária à Saúde;Prevenção de doenças;Fatores de risco
Issue Date: 3-Dec-2015
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: OLIVEIRA, Rita de Cássia de Souza. O escore de risco Framingham é uma ferramenta útil e eficaz na identificação dos indivíduos com risco de desenvolver um AVE? Uma revisão de literatura. 2015. 23 f. Artigo Científico (Graduação em Fisioterapia) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Santa Cruz, 2015.
Portuguese Abstract: O Acidente Vascular Encefálico (AVE) é considerado a terceira causa de morte em vários países do mundo. A prevenção do AVE pode ser feito por meio do controle dos fatores de risco modificáveis através de tratamento e adoção de hábitos de vida saudáveis. Objetivo desse estudo foi realizar uma revisão da literatura, a fim de analisar o uso do escore de risco Framingham para identificar o risco de individuo sofrer um AVE. Para isso foi realizada uma revisão literária narrativa. O levantamento bibliográfico foi realizado entre os dias 10 de agosto a 10 de setembro de 2015, nas bases de dados online Bireme e SciELO, foram incluídos no estudo 11 artigos que abordaram o escore de risco Framingham para identificação do risco de AVE. O escore de risco Framingham avaliou o risco de o indivíduo sofrer um AVE baseando nos fatores de risco. Dentre eles o mais prevalente foi a hipertensão arterial sistêmica (100%); seguido de idade, diabetes, tabagismo, doença cariovascular (91%); hipertrofia do ventriculo esquerdo, fibrilação atrial (82%); sexo (64%). A revisão indica que o escore de Framingham é uma ferramenta útil e eficaz na identificação dos indivíduos com risco desenvolver um AVE em 10 anos através da avaliação dos fatores de risco, mas há necessidade de padronizar a ferramenta. Além disso, sugere-se que o escore seja implementado nas unidades de saúde brasileiras para previsão do risco e possíveis intervenções precoces para permitir uma efetiva prevenção primária do AVE.
URI: http://monografias.ufrn.br/jspui/handle/123456789/1656
Other Identifiers: 2011004629
metadata.dc.description.embargo: 2018-12-17
Appears in Collections:Fisioterapia



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.