Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/11210
Title: "PAREM DE NOS MATAR": A PERFORMANCE COMO CONSTRUTO AFIRMATIVO DE CORPOS DIFERENCIADOS
Other Titles: "PAREM DE NOS MATAR": PERFORMANCE AS AN AFFIRMATIVE BUILDING OF DIFFERENTIATED BODIES
Authors: COSTA, Gustavo de Medeiros
Keywords: Corpas;LGBTQIA+;Processos poeticoa;Performance;Teatro
Issue Date: 15-Dec-2020
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: ALMEIDA, Eduardo Alberto de Almeida. Os gueis na Ditadura Civil-Militar brasileira: resistências. In: Revista Aedos, Porto Alegres, v. 11, n. 24, p. 62-79, 2019. AMORIM, Frederico Levi. Gestos performativos como atos de resistência: corpasmonstro na cena contemporânea. 2019. 172 f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Instituto de Filosofia, Artes e Cultura, Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto (MG), 2019. APOLINÁRIO, E. B. R. MANFREDINI, G. A. GRALAK, M. M. MINATOGAWA, M. C. PERRONI, T. C. As representações do movimento de Stonewall nos Estados Unidos (1969) – “Stonewall – A luta pelo direito de amar” (1995) e “Stonewall: onde o orgulho começou” (2015). Revista Epígrafe, São Paulo, v.7, n.7, p. 97-108, 2019. BANDEIRA, Regina. Casamento homoafetivo: norma completa quatro anos. Agência CNJ de Notícias. 2017. Disponível em < https://www.cnj.jus.br/lei-sobre-casamentoentre-pessoas-do-mesmo-sexo-completa-4-anos/ > Acesso em: 06 de nov. 2020. BARBOSA, Makarios Maia. “Todo côco um dia vira Kenga” – Etnocenologia, performance e transformismo no carnaval potiguar. [Dissertação] PPGAC/UFBA. Salvador (BA). 2005. BERSTEIN, Ana. A performance solo e o sujeito autobiográfico. In: Revista Sala Preta. Revista de Artes Cênicas. PPG Artes Cênicas da ECA/USP. n. 1, 2001, pp. 91- 103. 50 BERTHOLD. Margot. História Mundial do Teatro. Tradução: Maria Paula V. Zurawski e outros. São Paulo: Perspectiva. 2001. BRASIL. [Constituição (1988)] Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 06 de nov. 2020. BRECHT, Bertolt. A resistível ascensão de Arturo Ui. Tradução de Angélica E. Köhnke. In: BRECHT, Bertolt. Teatro completo em 12 volumes. Coleção Teatro Vol. 8. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1992. CIOTTI, Naira. O professor-performer. Natal (RN): EDUFRN, 2014. COHEN, Renato. Performance como linguagem. 3ed. São Paulo: Editora Perspectiva. 2011. CYSNEIROS, Adriano Barreto. Da transgressão confinada às novas possibilidades de subjetivação: resgate e atualização do legado Dzi a partir do documentário Dzi Croquettes. Dissertação (Mestrado): Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014. DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil Platôs. 2ed. Vol. 4. São Paulo: Editora 34, 1997. FERNANDES, Sílvia. Performatividade e Gênese da Cena. In: Revista Brasileira de Estudos da Presença. v. 3, n. 2, p. 404-419, maio/ago. Porto Alegre, 2013. FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 42ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2014. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. GODÉ, L.; NOBRE, C. E. B. Borboletas e Mariposas (Lepidoptera) da Reserva Biológica de Pedra Talhada. In: STUDER, A.; NUSBAUMER, A.L.; SPICHIGER, R. Biodiversidade da reserva biológica de Pedra Talhada: Alagoas, Pernambuco – Brasil. GENEVE: Conservatoire et Jardin botaniques de la Ville de Geneve, 2015. GONÇALVES, F. Um argumento frágil. Revista Porto Arte, Porto Alegre, v. 16, n. 27, p. 137-145, 2009. In: Revista Aspas | Vol. 7 | n. 2 | 2017 Poéticas nômades: processos de criação em agenciamentos do eu no (com o) outro 151. GRUBISICH, Teresa Maria. A parábola teatral de Bertolt Brecht: tese ou antítese? Tese de doutoramento. Programa de Pós-graduação em Estudos Literários. Faculdade de Ciências e Letras. Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) Araraquara. Orientação Prof.ª Dr.ª Wilma Patrícia Marzari Dinardo Maas. Araraquara (SP), 2007. LANCRI, J. Modestas proposições sobre as condições de uma pesquisa em Artes Plásticas na universidade. In: BLANCA B. TESSLER, E. O meio como ponto zero: metodologia da pesquisa em artes plásticas. Porto Alegre: UFRGS, 2002. LOURO, Guacira Lopes. O corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 3ed., revista e ampliada. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2020. 51 MACRAE, Edward. Os respeitáveis militantes e a s bichas loucas. in Stonewall 40 + o que no Brasil? (Coleção CULT), Salvador, n. 9. P. 21-35: EDUFBA, 2011. OLIVEIRA, Mariana. BÁRBIERI, Luiz Felipe. STF permite criminalização da homofobia e transfobia. TV Globo e G1. 2019. Disponível em < https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/06/13/stf-permite-criminalizacao-dahomofobia-e-da-transfobia.ghtml > Acesso em: 06 de nov. 2020. PAVIS, Patrice. A Análise dos Espetáculos – teatro – mímica – dança – dança-teatro – cinema. Tradução: Sérgio Sálvia Coelho. São Paulo. Perspectiva. 2003. PAVIS, Patrice. A encenação contemporânea: origens, tendências, perspectivas. Tradução: Nanci Fernandes. São Paulo: Perspectiva, 2013. PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. Tradução: J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 2008. PEREIRA, Carlos Alberto M. O que é contracultura. São Paulo. Editora Brasiliense. 1983. RANGEL, S. Processos de criação: atividade de fronteira. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS – ABRACE, 4., 2006. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2006. 1-6. REIS, T. (Org.) Manual de Comunicação LGBTI+. 2ed. Curitiba: Aliança Nacional LGBTI / GayLatino, 2018. ISBN: 978-85-66278-11-8. Disponível em: <manualcomunicacao-LGBTI.pdf> Acesso em: 10 de nov. 2020 RIBEIRO, Deco. Stonewall: 40 anos de luta pelo reconhecimento LGBT. In: Stonewall 40 + o que no Brasil? (Coleção CULT), Salvador, n. 9. P. 153 - 156: EDUFBA, 2011. ROCHA, Marcelo. AGU pede que STF esclareça se criminalização da homofobia atinge liberdade religiosa. Folha de São Paulo. 2020. Disponível em < https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/10/agu-pede-que-stf-esclareca-secriminalizacao-da-homofobia-atinge-liberdade-religiosa.shtml > Acesso em: 06 de nov. 2020. SANCHES, Gabriel Jean; LAU, Héliton Diego. A linguagem não-binária na língua portuguesa: possibilidades e reflexões. In: REVISTA X, Curitiba, volume 14, n. 4, p. 87-106, 2019. SHOCK, Suzy. Yo monstruo mio. suzychock – que otros sean lo normal. 17 de março 2008. Disponível em < http://susyshock.blogspot.com/2008/03/yo-monstruo-mio.html > Acesso em: 07 de nov. 2020.
Portuguese Abstract: O presente trabalho discorre acerca de parte da minha trajetória discente no Curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). As questões que alimentam este texto atravessam-me desde o início da minha construção identitária, elas partem de mim, porém, não dizem respeito somente a mim, vão ao encontro de outras existências que, assim como a minha, se colocam contra a normalização de suas corpas na vida social e nas artes. Através da descrição e da análise crítica da performance Parem de Nos Matar!, busco refletir a condição que marca a existência de pessoas LGBTQIA+. Na perspectiva de um distanciamento críticoreflexivo, essa pesquisa trata estas pessoas de modo analógico às “borboletas”. Acredita-se que construindo uma parábola acerca da tragédia que se abate sobre estas vidas, pode-se provocar uma aproximação de parte da sociedade com pessoas LGBTQIA+, com o recorte das corpas abjetas. A metodologia de pesquisa utilizada aqui, é fundamentada numa aproximação epistemológica com o “Estudo de Caso” (FONSECA, 2020). As considerações de fundamentos estão espalhadas em uma gama considerável de referências, concentrando-se, no tocante aos “Processos Poéticos”, no campo dos estudos autobiográficos, conforme nos apontam estudos de RANGEL (2006) e GONÇALVES (2017).
Abstract: The present work discusses the part of my student trajectory in the Theater Degree Course, from the Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN). The questions that feed this text have been going through me since the beginning of my identity construction, they come from me, however, they are not only related to me, they go to other existences that, like mine, are against the normalization of bodies in social life and in the arts. Through the description and critical analysis of the performance Parem de Nos Matar!, I seek to reflect the condition that marks the existence of LGBTQIA + people. In the perspective of a critical-reflective distance, this research treats these people in an analogous way to the “butterflies”. It is believed that by constructing a parable about the tragedy that befalls these lives, it is possible to bring a part of society closer to LGBTQIA + people, by cutting out the abject bodies. The research methodology used here is fundamental to an epistemological approach with the “Case Study” (FONSECA, 2020). The fundamental considerations are spread over a specified range of references, focusing, with regard to “Poetic Processes”, in the field of autobiographical studies, as pointed out by studies by RANGEL (2006) and GONÇALVES (2017).
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/11210
Other Identifiers: 2014046927
Appears in Collections:Teatro

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MEDEIROS GUSTAVO TCC.pdf1.68 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.