Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/10793
Title: Influência da sazonalidade climática e da estrutura do habitat sobre a riqueza de aves em área protegida de Mata Atlântica, no Nordeste do Brasil
Authors: Gomes, Carlos Salustio
Keywords: ecologia de aves;bird ecology;comunidades;communities;modelagem de ocupação;occupancy modeling;grupos tróficos;trophic groups;fatores ambientais;environmental factors
Issue Date: 24-Jul-2020
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: GOMES, Carlos Salustio. Influência da sazonalidade climática e da estrutura do habitat sobre a riqueza de aves em área protegida de Mata Atlântica, no Nordeste do Brasil. 2020. 65 f. Monografia (Graduação em Ecologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2020.
Portuguese Abstract: Comunidades de espécies são moldadas por diversos fatores internos e externos ao habitat. A riqueza destas, em determinado bioma ou habitat, ainda são estruturadas por processos e padrões que atuam em escala regional e local. As características ambientais são preditores que auxiliam na identificação de padrões de riqueza. Além do mais, agrupar espécies em grupos tróficos ajuda na compreensão de como estas compartilham áreas de forrageamento. Conhecendo fatores que afetam a persistência e a ocorrência das aves, podemos estimar a riqueza relativa de espécies em diferentes contextos ambientais. E a modelagem de ocupação é uma ferramenta útil para essa finalidade, pois engloba variáveis a nível de ambiente e de espécies, resultando em estimativas apoiadas em históricos de detecção de cada espécie e considerando a detecção imperfeita. Assim, o objetivo desse estudo foi conhecer as espécies de aves, bem como seus hábitos alimentares, em área protegida de Mata Atlântica, no intuito de compreender os requerimentos de habitat, em função de fatores ambientais, e a influência da sazonalidade climática a partir da modelagem de ocupação e relações de causalidade. Realizamos a pesquisa na Floresta Nacional de Nísia Floresta, unidade de conservação localizada no Rio Grande do Norte, e utilizamos a modelagem de desenho robusto em múltiplas escalas aplicada a estimativa de ocupação para múltiplas estações. Coletamos dados da avifauna local e de covariáveis do ambiente e classificamos as espécies em cinco grupos tróficos (insetívoros, carnívoros, frugívoros, nectarívoros e granívoros). Registramos 86 espécies, pertencentes a 35 famílias. A riqueza relativa de espécies na estação chuvosa apresentou menor taxa em comparação com a riqueza na estação seca. A borda florestal apresentou maior percentual de riqueza relativa que os demais habitats (localizados no interior do fragmento de floresta) e a riqueza de espécies na vegetação de restinga, ambiente de mata aberta, foi maior quando comparada com a riqueza em ambientes de mata fechada (floresta estacional semidecidual e de experimentos). Observamos também que a taxa de ganho de espécies da estação chuvosa para a estação seca foi superior a taxa de perda de espécies em todos ambientes, confirmado as maiores taxas de riqueza na segunda estação (estação seca). A riqueza em cada sítio amostral foi influenciada positivamente pela proximidade da lagoa perene e influenciada negativamente pela proximidade da borda florestal e pelas maiores porcentagens de cobertura de árvores, certamente por haver mais espécies ocorrendo na área de restinga, paisagem com pouca cobertura. A variabilidade no hábito alimentar das espécies influenciou a riqueza relativa nos sítios e mais aves insetívoras foram encontradas na área e estudo. Os resultados reforçam a necessidade de serem realizados mais estudos com aves em ambientes de restinga, associados ou não a lagoas. Também, confirma a premissa do efeito de borda na ecologia animal em florestas tropicais. A influência da estação seca tendo efeito positivo sobre a diversidade de aves é um assunto que deve ser mais investigado na Mata Atlântica. Destacamos também que a modelagem de ocupação resulta em estimativas mais confiáveis para inferências ecológicas, ajudando na compreensão de padrões que podem ser avaliados e usados em estratégias de conservação de habitats e de comunidades.
Abstract: Species communities are shaped by several factors internal and external to the habitat. Their richness, in a given biome or habitat, is still structured by processes and patterns that act on a regional and local scale. Environmental characteristics are predictors that help to identify patterns of richness. Furthermore, grouping species into trophic groups helps to understand how they share foraging areas. Knowing factors that affect the persistence and occurrence of birds, we can estimate the relative wealth of species in different environmental contexts. And the occupancy modeling is a useful tool for this purpose, since it encompasses variables at the level of environment and species, resulting in estimates based on detection historical of each species and considering the imperfect detection. Thus, the objective of this study was to know the bird species, as well as their feeding habits, in a protected area of Atlantic Forest, to understand the habitat requirements, in function of environmental factors, and the influence of the climatic seasonality from the occupancy modeling and causality relationships. We conducted the research in the Floresta Nacional de Nísia Floresta, a unity of conservation located in Rio Grande do Norte, and used the robust design multi-scale occupancy estimation. We collected data on local birds and covariates of the environment and classified the species into five trophic groups (insectivores, carnivores, frugivores, nectarivorous, and granivores). We registered 86 species, belonging to 35 families. The relative richness of species in the rainy season showed a lower rate compared to the richness in the dry season. The forest edge showed a higher percentage of relative richness than the other habitats (located inside the forest patch) and the richness of species in the restinga vegetation, open forest environment, was higher when compared with the richness in closed forest environments (semideciduous seasonal forest and experiment). We also observed that the rate of species gain from the rainy season to the dry season was higher than the rate of species loss in all environments, confirming the higher rates of richness in the second season (dry season). The richness in each sample site was positively influenced by the proximity of the perennial lagoon and negatively influenced by the proximity of the forest edge and the higher percentages of tree cover, certainly, because more species are occurring in the restinga area, landscape with little cover. The variability in the feeding habits of the species influenced the relative richness in the sites and more insectivorous birds were found in the area and study. The results reinforce the need for more studies with birds in restinga environments, associated or not with lagoons. Also, it confirms the premise of edge effect on animal ecology in tropical forests. The influence of the dry season having a positive effect on bird diversity is a subject that should be further investigated in the Atlantic Forest. We also highlight that occupancy modeling results in more reliable estimates for ecological inferences, helping to understand patterns that can be evaluated and used in habitats and communities conservation strategies.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/10793
Other Identifiers: 20160123965
Appears in Collections:Ecologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
InfluenciaSazonalidade_Gomes_2020.pdf1,36 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons