Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/10066
Title: Jurisdição universal como pressuposto da justiça de transição: os desafios da responsabilização penal
Authors: Bonifácio, Andressa de Brito
Keywords: Jurisdição Universal;Justiça de transição;Core crimes;Direito internacional penal;Crimes lesa-humanidade
Issue Date: 27-Nov-2019
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: BONIFÁCIO, Andressa de Brito. Jurisdição universal como pressuposto da justiça de transição: os desafios da responsabilização penal. 2019. 82f. Monografia (Graduação em Direito) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.
Portuguese Abstract: O processo de internacionalização dos direitos humanos levou a consequente sedimentação das condutas atentatórias a humanidade como crimes internacionais como normas de jus cogens. A tipificação desses core crimes no ordenamento jurídico internacional implica em uma obrigação erga omnes de os Estados combaterem tais condutas e responsabilizarem os seus perpetuadores. Todavia, no contexto da justiça de transição, com vistas a assegurar a transição pacífica de um regime totalitário ou autoritário para um rule of law, é comum que sejam editadas leis de anistia e estabelecidas normas de prescrição penal como forma de estimular a cooperação dos agentes do regime anterior. Assim, o direito das vítimas e seus familiares é colocado em xeque, no âmbito da jurisdição doméstica, uma vez que não possuem meios de acionar o Judiciário e ter acesso a justiça. Nesse sentido desponta a relevância da jurisdição universal como uma possível alternativa para a proteção dos direitos das vítimas e para assegurar a ordem internacional, ao cumprir com o dever comum de responsabilizar os perpetuadores de core crimes. O presente estudo busca, então, compreender como o princípio da universalidade da jurisdição pode ser utilizado para assegurar a justiça de transição e proteger os direitos das vítimas. Para tanato, a pesquisa possui caráter descritivo e é adotado o método lógico-dedutivo. Conclui-se que há um dever de exercício da jurisdição universal por parte dos Estados quando cometidos core crimes, de modo que o estabelecimento de limites ao exercício da jurisdição em âmbito doméstico não possui o condão de limitar a jurisdição universal.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/10066
Other Identifiers: 2015050648
Appears in Collections:Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JurisdicaoUniversal_Bonifacio_2019777.58 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons