Please use this identifier to cite or link to this item: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/10033
Title: Medidas de prevenção de infecção em unidades de terapia intensiva: uma revisão integrativa
Authors: Dantas, Ana Clara
Keywords: Controle de infecção;Unidades de terapia intensiva;Enfermagem
Issue Date: 21-Nov-2019
21-Nov-2019
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: DANTAS, Ana Clara. Medidas de prevenção de infecção em Unidades de Terapia Intensiva: uma revisão integrativa. 2019. 35f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Santa Cruz, 2019.
Portuguese Abstract: Esse estudo objetivou identificar as medidas de controle de infecção desenvolvidas e recomendadas em Unidades de Terapia Intensiva a partir de estudos primários disponíveis em bases de dados. Trata-se de uma revisão integrativa, realizada nas seguintes bases: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde, SCOPUS, PubMed Central, Science Direct, Web of Science e Cumulative Index to Nursisng and Allied Heath Literature. A estratégia de busca deu-se a partir dos cruzamentos: “Infection Control” AND “Intensive Care Units”. O presente estudo teve como questão norteadora: quais são as medidas de controle de infecção desenvolvidas e recomendadas em unidades de terapia intensiva? A busca resultou em um total de 4.514 artigos, dos quais 146 compuseram a amostra final. Os estudos em sua maioria foram realizados na Ásia (35,61%), América (33,56%) e Europa (24,65%) no ano de 2018 (17,80%), seguido de 2013 (15,06%) e 2017 (14,38%). A maioria dos estudos foram realizados em UTI’s adulto (62,32%). As medidas de controle de infecção foram identificadas e distribuídas em quatro categorias. Quanto as medidas relacionadas a prevenção de infecção da corrente sanguínea, os cuidados com preparação da pele (22,60%), inserção (18,40%) e higienização das mãos (17,10%) foram os mais citados. Sobre as medidas relacionadas a prevenção de pneumonia relacionada a assistência à saúde, a aplicação da higiene oral com antissépticos (19,86%), manter decúbito elevado (17,12%) e adequar diariamente o nível de sedação e o teste de respiração espontânea (15,75%) foram as mais comuns. Em relação as medidas de prevenção de infecção do trato urinário, o manuseio correto do cateter (5,47%), medidas educativas (4,79%) e vigilância do processo e resultados (3,42%) foram as mais descritas entre as medidas. Por fim, dentro da categoria de medidas relacionadas a prevenção associadas aos cuidados gerais de saúde, realizar banho diário com antisséptico foi descrito em 14,38% dos estudos, seguido por higienização das mãos (13,01%), medidas educativas (12,32%) e cuidados com o ambiente e estrutura (11,64%). Por meio desse estudo, verificam-se que as medidas básicas de infecção quando associadas a outras estratégias podem ampliar sua efetividade, diminuindo as taxas de infecções. Ademais, o conhecimento e implantação de protocolos também contribui de forma significativa para o seguimento correto das medidas dentro dos serviços de saúde, sobretudo nas UTI’s.
URI: http://monografias.ufrn.br/handle/123456789/10033
Other Identifiers: 20150105130
20150105130
Appears in Collections:FACISA - Enfermagem

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MEDIDASDEPREVENCAODEINFECCAO_Dantas_2019.pdf
Restricted Access Until 2022-12-11
Monografia será enviada para publicação em revista.
500.69 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons